O tempo do relógio está se esgotando?

Buscar

O tempo do relógio está se esgotando?

Buscar
Publicidade

Marketing

O tempo do relógio está se esgotando?

Estudos apontam que a tecnologia wearable em breve substituirá o relógio de pulso


5 de janeiro de 2016 - 8h30

(*) Por George Slefo, do Advertising Age

As vendas dos smartwatches e dos fitness trackers podem superar a dos relógios tradicionais em 2020, de acordo com dados de uma pesquisa da Mintel.

A companhia divulgou uma série de estatísticas citando que as vendas desses dispositivos estão indo bem, e que um a cada cinco consumidores dos Estados Unidos disse estar muito interessado em comprar um deles em 2016. Smartwatches como o da Applee fitness trackers como o FitBit foram agrupados para o estudo.

Atualmente, um a cada 20 americanos, ou cerca de 6% da população, possui um smartwatch ou um fitness tracker, de acordo com a Mintel. Os homens entusiastas da tecnologia representam a maior área de oportunidade para a indústria, dado que 37% dos homens entre 18 e 34 anos que compraram um relógio tradicional nos últimos 12 meses disseram que estariam “muito interessados” em também adquirir um smartwatch ou um fitness tracker dentro do próximo ano.

“É uma possibilidade muito real de que as vendas dos smartwatches canibalizem as dos outros relógios nos próximos cinco anos”, afirma Diana Smith, analista de pesquisa sênior, varejo e vestuário da Mintel. “Esse cenário pressupõe que o buzz atual em relação aos smartwatches se manifeste em vendas que resistirão ao período de novidade enquanto mais apps funcionais são criados, mais desenvolvedores lançam novos produtos e os preços caem. Uma situação ideal para o setor do smartwatch seria se os smartwatches alavancassem todas as categorias, enquanto os relógios tradicionais – que compreendem a maioria das vendas totais de relógios – permanecessem pelo menos estáveis”.

Cerca dos 25% dos compradores de relógios os usam como acessório fashion, incluindo 32% de millennials mais velhos, ou consumidores com idades entre 29 e 38 anos, segundo o estudo. Ainda assim, nem todos os especialistas concordam com os dados da Mintel.

Benjamin Arnold, um analista de consumidores da indústria de tecnologia na NPD, não concorda que as vendas dos relógios tradicionais será canibalizada pelo crescente interesse nos smartwatches. “Os smartwatches estão atraindo pessoas que nunca compraram um relógio. Nós estamos recebendo uma dica dos dados de que os smartwatches vão beneficiar os relógios tradicionais. Nós também estamos vendo que os smartwatches estão criando interesse para que as companhias foquem na área do pulso”, conta Arnold.

Cerca de 9% dos compradores de smartwatches e fitness tracker dizem que compraram um dispositivo por uma razão específica, como mergulhar ou correr. Hoje, um a cada cinco homens, ou cerca de 16%, usa o fitness tracker para competir com amigos enquanto se exercitam. Esse número sobe para três a cada dez, ou cerca de 29%, para as mulheres.

“Enquanto mais homens do que mulheres comprarem relógios, a oportunidade para as compras da tecnologia wearable encontra-se nas mulheres que veem o dispositivo como uma ferramenta útil que pode ajuda-las a cuidar da própria saúde”, projeta Smith.

Tradução: Odhara Caroline Rodrigues
 

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele