Bau-Bau

Buscar
Publicidade

Ponto de vista

Bau-Bau


18 de maio de 2011 - 10h55

Uma expressão corriqueira em multinacionais americanas é BAU que significa “business as usual” (os negócios de sempre).

Quando um CEO norte-americano usa essa expressão, geralmente esta se dirigindo à sua equipe dando a entender que o sucesso dos negócios correntes não é mais do que obrigação e cobrando idéias inovadoras (leia-se, que não custem nada e gerem um montão de dinheiro).

Como o mundo anda acelerado e atolado em novidades que se transformam celebridades instantâneas, muitas empresas estão dedicando uma atenção desproporcional e viesada à inovação.

Em muitos casos a estressante busca da reinvenção do negócio e a exigência de idéias disruptivas acaba comprometendo os negócios correntes numa espécie de profecia que se auto-realiza.

A ansiedade por inventar o novo antes que o velho morra acaba por matar o velho antes do tempo.

Sempre é bom lembrar que o ser humano ainda está em sua primeira versão.  Os “releases” dos últimos séculos foram apenas cosméticos.  Nosso “kernel” (responsável pelos processadores e dispositivos de entrada e saída) seguem sendo os mesmos e os módulos operativos Audição 1.0, Visão 1.0, Emoções 1.0 e Necessidades Básicas 1.0 sequer sofreram atualizações.

Em função disso, quando a empresa tem um produto “matador” que vem gerando bons resultados por anos seguidos, tudo indica que vale a pena investir em mantê-lo atualizado (que significa, em termos gerais, sendo capaz de atender ás mesmas necessidades, acompanhando as mudanças do ambiente), para que o “business as usual” siga sendo “as usual”.

A experiência vem demonstrando que quando a gente despreza o BAU, bau-bau !

* Flavio Ferrari é CEO do Ibope Mídia

 


Flavio.ferrari@ibope.com.br

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Trabalho: 4 em cada 10 profissionais LGBT+ já sofreram discriminação

    Trabalho: 4 em cada 10 profissionais LGBT+ já sofreram discriminação

    Dado faz parte de levantamento feito para a iO Diversidade pelo Instituto Locomotiva e QuestionPro

  • Os planos da Sadia para cativar os consumidores do futuro

    Os planos da Sadia para cativar os consumidores do futuro

    Marca da BRF investe em música, com Lollapalooza, esporte, com a NBA, e novidades no portfólio para se conectar com o público jovem e a geração Z