Poder de fã

Buscar
Publicidade

Ponto de vista

Poder de fã


2 de junho de 2011 - 4h22

Tem gente muito mais qualificada do que eu para falar de colaboração e customização, dois grandes desejos contemporâneos que são quase uma contradição em si. Mas não consegui evitar este post sobre coletivos.

É incrível como a onda colaborativa não para de se manifestar. A cada dia, uma nova invenção. Nem estou falando das infinitas gracinhas digitais, mas de soluções práticas para a vida em sociedade. Lembra quando os jovens profissionais, há 3 ou 4 anos, começaram a dividir aluguel e talento nos chamados coletivos urbanos? Arquitetos, designers, músicos, roteiristas… tudo junto e misturado em ateliês, estúdios e empresinhas cool para dividir as crenças e as contas e continuar um tantinho adolescente na vida adulta.

Agora, os coletivos são formados para financiar bandas grandes- pequenas (grandes o suficiente para ter um tantão de fãs e pequenas demais para atrair patrocinadores-empresas). O crowdfunding ou crowdsourcing brasileiro começou no final de 2010, no Rio, com o coletivo Queremos. O grupo prevê os custos da vinda da banda, negocia o contrato e vende ingressos-cotas para os interessados. Queremos já trouxe Belle & Sebastian e Vampire Weekend. Legal demais, não é? Mais detalhes no movimentohabla.com.br.

*Brenda Fucuta é superintendente da Editora Abril, com foco nas marcas jovens e femininas

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove ingressa na categoria de skin care corporal no Brasil

    Dove ingressa na categoria de skin care corporal no Brasil

    Marca coloca no mercado primeira linha de séruns com a proposta de oferecer benefícios que vão além da hidratação

  • Vivo reforça compromisso e antecipa metas de ESG

    Vivo reforça compromisso e antecipa metas de ESG

    Empresa adiantou compromissos climáticos e diversidade em cinco anos, até 2035; companhia foi considerada a mais sustentável do Brasil pela B3