Vida longa ao Orkut

Buscar
Publicidade

Mídia

Vida longa ao Orkut

Ao contrário das previsões de especialistas, rede social não apenas está distante de acabar como ainda lidera, com imensa folga, a preferência dos internautas brasileiros


16 de maio de 2011 - 10h13

Ele já foi o assunto (e a rede social) dominante entre os internautas brasileiros. No último ano, entretanto, com o crescimento da penetração do Facebook e a chegada de outras redes sociais, o Orkut parecia, segundo alguns especialistas, ter seus dias contados. Apenas parecia.

A mais recente pesquisa F/Radar – realizada pela agência de publicidade F/Nazca em parceria com o instituto Datafolha com o objetivo de mapear o uso da internet e o consumo de mídia no Brasil – mostra que a rede social não apenas sobrevive como continua ganhando, esmagadoramente, no quesito de preferência dos internautas.

De acordo com os números da pesquisa, 80% dos internautas do País acessam o Orkut. Para efeito de comparação, o Facebook ainda é acessado por apenas 14% desse universo de internautas. O estudo F/Radar foi realizado com 2.203 pessoas, de 146 municípios brasileiros, em novembro do ano passado.

Além de preferir o Orkut, os internautas também dedicam a ele um maior tempo. Setenta por cento dos entrevistados garantem que é nessa rede social que eles passam o maior tempo enquanto navegam na internet. O Orkut também é o segundo site mais acessado por aqueles que possuem internet móvel (16% dos pesquisados). Pelo celular, o Orkut só perde em audiência para o MSN (ferramenta de troca de mensagens instantâneas da Microsoft), que é acessado por 37,5% do total de donos de smartphones e celulares com acesso à web.

No embalo dos amigos

Para José Augusto Porto, diretor nacional de planejamento da agência F/Nazca, uma das razões que explica a predominância do Orkut é o efeito dominó do círculo de amigos. Segundo ele, por mais que algumas pessoas estejam, gradativamente, migrando para o Facebook e outras redes, elas não abandonam o Orkut pelo fato de seus amigos e colegas ainda estarem alí. “As pessoas estão onde os amigos estão. Isso vale tanto para o mundo real quanto para o virtual. O Orkut vem fazendo esforços para se modernizar, ampliar suas ferramentas e isso também vem surtindo efeito. Acredito que boa parte dos usuários do Orkut migrará para o Facebook. Mas não será de maneira repentina e nem tão rápido”, opina Porto.

O executivo avalia que esses dados são bastante uteis para auxiliar as marcas e agências que buscam criar eficientes ações no Orkut, no Facebook e nas demais comunidades virtuais. “As redes sociais são como uma festa de amigos para a qual as marcas não forma convidadas”, ilustra ele. “Para se fazer notar é preciso entrar com cautela, conquistas a confiança de quem está ali presente e oferecer algo que os internautas queiram ver”, complementa.

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

    STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

    Google e Telegram foram acusadas de suposta campanha abusiva contra o PL das Fake News ao se manifestarem contra a proposta em suas plataformas

  • Em parceria com Smart Fit, b.drops leva OOH a academias

    Em parceria com Smart Fit, b.drops leva OOH a academias

    Empresa deve instalar, até outubro, 5 mil telas em unidades da rede, inaugurando a vertical Health