Como o público enxerga os anúncios em sites de notícias?

Buscar

Como o público enxerga os anúncios em sites de notícias?

Buscar
Publicidade

Mídia

Como o público enxerga os anúncios em sites de notícias?

Pesquisa realizada pela Teads ao lado da CNN Brasil revela critérios para a escolha de site de notícias, bem como sentimentos em relação a anúncios em veículos


17 de abril de 2024 - 17h06

A credibilidade é o que mais motiva os usuários ao escolher um site de notícias. É o que aponta um estudo realizado pela Nielsen e Teads ao lado da CNN Brasil, que busca entender o que há por trás da relação entre publicidade digital e conteúdo editorial.

notícias

(Crédito: LysenkoA-adobestock)

O critério é válido para 53% dos entrevistados, sobretudo entre os mais velhos. Na sequência, aparece a qualidade de texto e das informações, com 39% das respostas e destaque para indivíduos de faixas etárias mais jovens.

Segundo as empresas, as questões que podem impactar negativamente a presença de publicidade em sites de notícias são os excessos, bem como alguns formatos. Um dos exemplos são os pop-ups, que podem gerar reações adversas ao interromper o fluxo da leitura e, consequentemente, gerar impaciência e rejeição do leitor. Daí, a importância da contextualização.

No geral, as pessoas leem notícias por até 2 horas diárias, entre dois e três sites diferentes. Além disso, os utilizam para enriquecer seu conhecimento. O conteúdo editorial viabiliza a sensação de “fazer parte” e “estar a par” dos fatos mais importantes.

Características por grupos

Em relação à publicidade, o grupo de pessoas entre 16 e 22 anos está mais habituado aos anúncios e estabelecem relações contextuais entre o conteúdo da notícia e a publicidade. Eles valorizam navegação ágil e com conteúdo adicional, com interesse em variedades, entretenimento e mídia.

Já para aqueles de 27 a 42 anos, as temáticas de maior apelo são – além de variedades – ambiente, atualidades e política, e costumam se aprofundar nas plataformas editoriais dos veículos. Além disso, as chances de avaliação dos anúncios como interferências são maiores.

A maior criticidade à publicidade pode ser vista entre aqueles com 43 a 58 anos, uma vez que “ressentem-se intensamente” com interrupções causadas por anúncios invasivos, conforme indica o estudo. Eles têm interesses e hábitos mais rígidos e encontram conforto em canais os quais consideram mais éticos.

No que diz respeito a gênero, mulheres costumam ter uma leitura mais minuciosa e aprofundada, além de perceberem melhor as características de layout, quantidade e formato de anúncios. Elas também passam mais tempo buscando e assimilando informações de diversos temas.

Já os homens comportam-se de maneira contrária: preferem fazer leituras mais rápidas e superficiais, focando em um ou poucos temas de interesse. Geralmente visualizam a tela como um todo até que sejam atraídos por alguma imagem ou enunciado e percebem a presença de anúncios com menos detalhes.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Uplify estrutura operação no Brasil

    Uplify estrutura operação no Brasil

    Martech Uplify usa inteligência artificial e machine learning para conectar marcas à influenciadores de livestreaming

  • Ana Maria Braga e Receitas oferecem soluções publicitárias juntos

    Ana Maria Braga e Receitas oferecem soluções publicitárias juntos

    Ofertas conjuntas entre Ana Maria Braga e Receitas visa aproximar o público e a atenção dos consumidores