No Brasil, compra de mídia crescerá quase 9%

Buscar

No Brasil, compra de mídia crescerá quase 9%

Buscar
Publicidade

Mídia

No Brasil, compra de mídia crescerá quase 9%

Investimento em publicidade, neste ano, será maior do que a média global, de 3%, impulsionado por formatos digitais e televisão

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


4 de fevereiro de 2020 - 7h00

(crédito: Pexels)

O investimento em publicidade no Brasil deve crescer quase 9% em 2020, de acordo com o mais recente levantamento “Global Ad Spend Forecasts”, do grupo DAN, que leva em conta relatórios de investimento em 59 países. A projeção de crescimento para o País, de 8,9%, é maior do que a média global, de 3,9%, e um pouco menor do que a média da América Latina, de 9,5%. Globalmente, o investimento em publicidade deve movimentar US$ 615 bilhões.

A publicidade será impulsionada principalmente por eventos como as Olimpíadas e Paraolimpíadas de Tóquio, a Liga dos Campeões da UEFA, eleições presidenciais nos Estados Unidos e municipais no Brasil. O grupo DAN projeta que os Jogos Olímpicos, particularmente, terão efeito sobre o investimento publicitário no País. “A programação de anúncios pode mudar devido às diferenças de fuso horário, com muitas finais previstas para o prime-time”, antevê Eduardo Bicudo, CEO do grupo DAN no Brasil.

Assim como outros países vizinhos e mercados da Ásia-Pacífico, o Brasil está vendo a aceleração do investimento em formatos digitais, mais consolidados em mercados desenvolvidos. A aposta em formatos mobile terá um salto este ano, de 8,8%. Atualmente, anúncios mobile representam 67% do investimento total em digital no Brasil. “Os constantes investimentos para melhorar a experiência do usuário em dispositivos móveis, com interfaces mais amigáveis e recursos de ativação por voz, impulsionam o aumento nesse meio”, justifica Eduardo.

A adesão de ativações de voz e assistentes pessoais como Siri, Google Assistente e Alexa também incentivam maiores esforços dos anunciantes em dispositivos móveis, embora tragam maiores desafios do ponto de vista de planejamento. “As marcas devem ter em mente que a preparação para a pesquisa por voz é diferente da pesquisa via texto. A pesquisa por voz mostra menos resultados, e por isso precisa de mais adaptação por parte dos anunciantes”, diz o CEO.

Considerando todos os países levantados pela pesquisa, a publicidade digital deve crescer 10% este ano – representando 45% do investimento dos anunciantes. Em 2021, espera-se que o digital passe a representar 50% desse total. Dentro dessa categoria, destacam-se mobile e video, com projeção de 16% e 14% de crescimento em 2020, respectivamente.

A televisão, por sua vez, deve manter cerca de um terço (31,5%) da participação nos investimentos globais em publicidade, crescendo 0,6% neste ano. No Brasil, porém, espera-se que o investimento cresça até 9,5%, motivado por eleições municipais, eventos globais e a chegada de um novo canal aberto, a CNN Brasil.

O DAN também prevê aumento no investimento em anúncios programáticos, inclusive em mídias mais tradicionais como TV e rádio. “Há um enorme espaço para o crescimento programático no Brasil, e a tendência é que migre para outros meios”, afirma Bicudo.

O estudo ainda faz projeções iniciais para 2021. No ano que vem, o ritmo de investimento deve ser mais tímido, com projeção para crescer 3,4% no Brasil.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Google assina acordo para criar centro de pesquisa em São Paulo

    Google assina acordo para criar centro de pesquisa em São Paulo

    As obras de construção do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) IPT começam em setembro de 2024; Google já começa a compor a equipe de engenheiros e desenvolvedores

  • Plataforma de streaming processa Fox, Disney e Warner nos EUA

    Plataforma de streaming processa Fox, Disney e Warner nos EUA

    Fubo.TV alega que o novo streaming esportivo, que unirá as três companhias, tende a prejudicar a concorrência