Por onde for quero ser seu par. Ou não.

Buscar

Por onde for quero ser seu par. Ou não.

Buscar
Publicidade

Opinião

Por onde for quero ser seu par. Ou não.

O BBB 23 expôs uma realidade que conhecemos bem: a vida em duplas. O que a nova dinâmica do programa tem para nos mostrar?


10 de fevereiro de 2023 - 14h00

Tanto no BBB quanto na área criativa, estar preso a outra pessoa pode determinar tudo que vem pela frente (Créditos: Twitter)

Mais um Big Brother está no ar e enquanto os publicitários focam nas marcas mais vigiadas do Brasil, meu olhar foi direto para a dinâmica de colocar os participantes em duplas arranjadas na primeira semana. Os pares foram definidos pelo público e ouso dizer que essa decisão pode ter desenhado o rumo das semanas seguintes.

Você nem precisa gostar ou assistir para imaginar que teve de tudo: Amigos de infância, inimigos mortais, conflitos por coisas bobas e o que mais o bom entretenimento pode proporcionar quando estranhos são trancados em uma casa e a chave é jogada fora. Ainda teve o tempero sádico de unir os braços das duplas com um tipo de algema.

No final da primeira semana já tinha um culpando o outro pelo fracasso ou agradecendo pelo sucesso da soma e até casal. Já separados, alguns prometeram defender sua dupla a qualquer custo, outros nem estavam considerando o par no pódio da final. Enfim, uma amostra grátis de um relacionamento a dois.

A vida em dupla parece familiar pra você? Qualquer semelhança com o dia a dia na área criativa não é mera coincidência. Tradicionalmente, redatores e diretores de arte são unidos em prol de uma entidade que passa a desenhar duas carreiras como se fosse apenas uma.

Como em qualquer dupla de pessoas que convive por longos períodos de tempo, um casal, por exemplo – ou pipocas e camarotes – o relacionamento pode dar muito certo ou muito errado. Cada um vem de um passado diferente, às vezes com valores opostos e objetivos que miram em caminhos que não se encontram.

Nunca tive dupla fixa, costumava ser a única redatora que circulava entre todos os diretores de arte das agências em que trabalhei. Esse modelo me deu a oportunidade de trabalhar com um número enorme de pessoas incríveis e talentosas. Aprendi diferentes formas de criar, conheci muitos pontos de vista e fiz grandes amigos.

Ao mesmo tempo, com as duplas que tive uma conexão maior, vi a mágica acontecer. Ali, naquelas relações que de fato transformaram duas pessoas em uma só entidade, objetivos opostos viraram complementares. A vida em dupla permite que um cubra a vulnerabilidade do outro, que um fortaleça o outro.

Mas nem sempre a vida é bela. Assim como no BBB, parte das duplas não é formada por amor, e sim é “arranjada”. E, assim como no BBB, isso pode tanto levar pra final ou pra eliminação no primeiro paredão. Como fazer a simbiose acontecer?

Tanto no BBB quanto na área criativa, estar preso a outra pessoa pode determinar tudo que vem pela frente. As decisões precisam ser unânimes, seja sobre o caminho de uma campanha ou sobre os próximos passos da carreira. Mesmo com todos os desafios que a convivência traz, esse é um formato que tem funcionado há décadas, e nem ouso levantar aqui o questionamento sobre ser o melhor modelo ou não.

Tem sido interessante acompanhar o desenrolar da vida em duplas pela televisão. Apesar da obrigação do jogo a dois, as individualidades ainda se sobressaem e precisam se acomodar para achar um lugar confortável em comum. Diferente de nós criativos, apenas um vai ganhar no final.

Talvez o grande segredo seja lembrar que ganhamos ou perdemos juntos. O caminho não é o meu ou o seu, mas sim o que nos levará ao melhor resultado. E acho que pensando em trabalho, a equação é mais fácil do que parece. Já quando envolve objetivos de carreira, o buraco é mais embaixo.

Esse é assunto para outro artigo. Nesse eu quis dividir minha reflexão, pois achei curioso assistir de fora o ecossistema das duplas. Mesmo fã de Big Brother desde o primeiro ano, nunca tinha me sentido tão representada como nessa edição. Pelas duplas que deram certo, e pelas que não deram também.

O que fica, é a expectativa pelo desfecho. Será que as duplas simbióticas chegarão até a final e as menos sintonizadas ficarão pelo caminho ou seremos surpreendidos? De fato, a definição dos pares definiu a edição? Que venha abril, seus feriados e a resposta do milhão (e meio).

Publicidade

Compartilhe

Veja também