W2W Summit 2024: Quando os sentidos são a base do negócio

Buscar
Publicidade

Vídeos

W2W Summit 2024: Quando os sentidos são a base do negócio

Confira na íntegra painel sobre oportunidades, desafios e lições na jornada de abrir um novo filão a partir da necessidade e da exploração dos sentidos


26 de abril de 2024 - 19h36

Painel “Foco e resgate do presente: quando os sentidos são a base do negócio”, com Ana Clara Schneider, da Sondery; Maria Stockler Carvalhosa, da Supersônica; e moderação de Amanda Lyra, da Asid Brasil (Crédito: Eduardo Lopes/Imagem Paulista)

A acessibilidade garante às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida uma vida mais independente, integração social e o exercício pleno da cidadania. No entanto, apesar de ser um direito previsto em lei, estas garantias ainda são um desafio na sociedade. Nos últimos anos, esta frente tem sido parte fundamental da estratégia de negócios de algumas empresas. Outras, nasceram com este propósito.

A discussão foi o tema central do painel “Foco e resgate do presente: quando os sentidos são a base do negócio”, que aconteceu na última edição do Women to Watch Summit, no dia 26 de março, em São Paulo. Nele, lideranças da Supersônica e Sondery falaram sobre oportunidades, desafios e lições na jornada de abrir um novo filão a partir desta necessidade e da exploração dos nossos sentidos. 

Confira o painel na íntegra abaixo.

Painelistas:

Maria Stockler Carvalhosa, sócia, curadora e editora da Supersônica
Ana Clara Schneider, fundadora da Sondery

Moderadora:

Amanda Lyra, consultora de acessibilidade digital e D&I e novos negócios da Asid Brasil

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Lideranças femininas de tech estão à frente na adoção de IA generativa

    Lideranças femininas de tech estão à frente na adoção de IA generativa

    Estudo aponta que mulheres seniores em funções técnicas estão, em média, 14 p.p. à frente dos homens no uso da tecnologia

  • Beta Boechat: as pazes do ativismo com o mundo corporativo

    Beta Boechat: as pazes do ativismo com o mundo corporativo

    Após 15 anos no mercado de marketing e influência, a fundadora do Movimento Corpo Livre chegou a conclusões importantes sobre a diversidade na indústria da comunicação