Morre José Zaragoza, o “Z” da DPZ

Buscar

Comunicação

Publicidade

Morre José Zaragoza, o “Z” da DPZ

Com mais de 50 anos de trajetória na publicidade, profissional faleceu na manhã desta segunda-feira, 15, em São Paulo


15 de maio de 2017 - 11h24

Atualizada às 15h21


Com mais de cinco décadas de atuação na publicidade brasileira – e um dos responsáveis pela valorização da indústria nacional como uma das mais criativas do mundo – José Zaragoza, um dos fundadores da agência DPZ (atual DPZ&T) morreu na manhã desta segunda-feira, 15, em sua residência, localizada no bairro do Jardim Europa, em São Paulo. A família não informou as causas da morte.

Zaragoza, que também era artista plástico e cineasta, completaria 87 anos no próximo mês de julho. Espanhol da cidade de Alicante, mas criado em Barcelona, Zaragoza chegou ao Brasil em 1952 e, em pouco tempo, arrumou um emprego como fotógrajo em um jornal. Posteriormente, ingressou na

Thompson como diretor de arte. Passou um tempo trabalhando em Nova York, , onde estagiou na NBC. De volta ao Brasil, fundou o estúdio de design gráfico Metro 3, ao lado de Ronaldo Perischetti e Francesc Petit. Em 1968, em meio ao cenário de turbulência econômica e política acarretado pela ditadura militar, fundou a DPZ junto com Roberto Duailibi e Petit (falecido em 2013). O profissional manteve-se como sócio da operação até dezembro de 2013, quando negociou os últimos 10% que passou a deter desde quando a agência passou para o controle acionário do Publicis Groupe, em junho de 2011.

 

Dia das Mães
No comunicado que informa o falecimento de Zaragoza, a assessoria de imprensa do criativo enviou a foto mais recente do publicitário. A imagem foi feita neste domingo, 14, e mostra Zaragoza ao lado da esposa, Monique, em um almoço em comemoração ao Dia das Mães, no restaurante Fasano, em São Paulo. Além da esposa, filhos e netos de Zaragoza também estiveram na celebração. Casado há mais de 50 anos com Monique, Zaragoza também deixa os filhos Frederic, Kitu, Diego e Inês e sete netos.

 

Zaragoza e a esposa, Monique, em almoço comemorativo ao Dia das Mães, nesse domingo, 14 (Crédito: Divulgação)

O comunicado também traz uma declaração de Duailibi, amigo e parceiro de carreira de Zaragoza.“Estou profundamente triste, pois perdi um amigo da vida inteira. Era o maior artista gráfico que eu conheci, dono de uma capacidade criativa desmedida, de um enorme bom gosto criativo, como já não se encontra nos dias de hoje. Zara era um pouco de tudo, inquieto, estava sempre fazendo algo novo. Era acima de tudo um empreendedor. Até os últimos dias trabalhava em seu atelier organizando uma obra vasta e de grande qualidade. A propaganda perde uma referência”.

Na tarde desta segunda-feira, 15, a DPZ&T divulgou um comunicado a respeito da importância de Zaragoza para a agência e para a publicidade brasileira. “Seus múltiplos talentos, bom humor e irreverência não dão conta de explicar o significado e a importância de Zaragoza para a publicidade brasileira e o mercado que ele ajudou a criar. É preciso falar em generosidade, fibra, sensibilidade, paixão, respeito, energia imensa e amor pelas boas coisas da vida. A prova disso é a quantidade de amigos e admiradores que conquistou, inspirou e influenciou.” diz a agência, em comunicado.

A DPZ&T também informa que o velório de Zaragoza será realizado nesta terça-feira, 16, das 9h às 12h, no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra. O corpo do publicitário será cremado, em cerimônia reservada à família.

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”