Aumenta desconfiança sobre conteúdo de marcas

Buscar

Marketing

Publicidade

Aumenta desconfiança sobre conteúdo de marcas

Mais de 50% dos internautas brasileiros ouvidos em estudo da Kantar não acreditam no que é produzido por empresas na internet

Luiz Gustavo Pacete
30 de novembro de 2017 - 8h41

 

“O brasileiro aparece cada vez mais conectado, o desafio está em quebrar sua desconfiança”

O avanço da conectividade e o acesso dos brasileiros à informação criaram um ambiente de oportunidades para as empresas, mas também de muitos desafios. De acordo com o estudo global Connected Life, desenvolvido pela Kantar TNS, os internautas do Brasil estão cada vez mais divididos sobre a confiança que possuem nas marcas e no conteúdo produzido por elas.

A pesquisa ouviu 70 mil consumidores em 56 países durante o primeiro semestre, entre eles o Brasil, e constatou que 52% dos brasileiros acreditam que o conteúdo de marca gerado nas mídias sociais não é confiável, a média global representa 35%. Outro dado é o de que 45% se preocupam com o controle das redes sociais sobre aquilo que veem em seus feeds e 54% estão apreensivos com o nível de dados pessoais que as marcas têm sobre eles.

“O brasileiro aparece cada vez mais conectado – o que representa uma ótima oportunidade para os anunciantes – mas também mais atento e preocupado com as informações que chegam até ele. O desafio está em quebrar sua desconfiança e fazê-lo se aproximar das marcas sem que ele se sinta invadido”, diz Isabelle Rio Lopes, VP da Kantar TNS.

40% dizem não ter nenhum problema em falar com um robô se isso permitir uma resposta mais rápida

A edição deste ano do estudo considera a confiança relacionada a temas como tecnologia, conteúdo e dados. A evolução da tecnologia está possibilitando que as marcas se aproximem desse consumidor e desenvolvam experiências melhores de serviço, mas ainda há resistência. Os consumidores conectados estão divididos em aceitar a inteligência artificial: enquanto 40% dizem não ter nenhum problema em falar com um robô, se isso permitir uma resposta mais rápida, 41% estão totalmente contra.

 

“A transparência deve ser uma preocupação para as empresas. O consumidor não quer se sentir mais um; procura por um atendimento personalizado”

Em relação ao conteúdo, a pesquisa mostra que há cada vez mais desconfiança sobre o que é produzido nos canais de marcas. Sendo que 37% dos consumidores do Brasil declaram que o conteúdo publicado nas redes sociais não é relevante para eles e 52% acreditam o que veem nesses canais não é confiável, contra uma média global de 35%. Quase metade desses consumidores, 45%, expressam preocupação com o controle que as plataformas digitais têm sobre o que eles veem em seus feeds.

 52% dos internautas do Brasil acreditam que o conteúdo que consomem na internet não é confiável

Sobre privacidade, as pessoas estão cada vez mais conscientes do preço que estão pagando por seu estilo de vida conectado: 54% dos entrevistados na América Latina expressaram preocupação com a quantidade de dados pessoais que as empresas têm deles, enquanto a média global é de 40%. “A transparência deve ser uma preocupação para as empresas. O consumidor não quer se sentir mais um, procura por um atendimento personalizado e quer que as marcas entendam seus reais problemas e necessidades”, diz Maura Coracini, head de Media&Digital da Kantar.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • brandedcontent

  • brandsafety

  • confianca

  • consumo

  • Digital

  • Internet

  • kantar

  • pesquisa

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”