Coca usa inteligência artificial para criar tipografia para Coca Zero

Buscar

Coca usa inteligência artificial para criar tipografia para Coca Zero

Buscar
Publicidade

Comunicação

Coca usa inteligência artificial para criar tipografia para Coca Zero

Companhia dá continuidade, nos Estados Unidos, à campanha "Best Coke Ever?", agora colocando as embalagens como protagonistas


14 de fevereiro de 2024 - 16h55

Coca Zero

(Crédito: Reprodução)

Com informações do Ad Age

A Coca Cola Zero está usando inteligência artificial como parte de expansão da campanha global “Best Coke Ever?”, que a marca descreve como sua “iniciativa mais digital e social feita até o momento”, e que inclui um forte de trabalho com influenciadores no TikTok.

“The Best Coke Ever?”, lançada em 2021, revelou a nova receita e um novo design para as embalagens de Coca-Cola Zero. O novo marketing tem como foco os consumidores da geração Z.

A extensão da campanha foi desenvolvida em colaboração com o núcleo do WPP dedicado à marca, o Open X, liderado pela AKQA e Ogilvy. O esforço inclui o uso de uma tipografia única, desenvolvida por inteligência artificial, em uma tentativa de dar ao produto a chance de “falar por si”, segundo a marca.

“Neste ano, em vez de tentarmos descrever o sabor, pensamos que deveríamos dar voz ao protagonista. A Coca Zero é quem está falando, e e acontece que ela vem tentando falar já há um bom tempo”, diz Oana Vlad, sênior director of global strategy da Coca-Cola, em um evento realizado recentemente.

A marca usou detecção de objetos por rede neural – um tipo de inteligência artificial que encontra objetos em uma imagem – para identificar letras dentro das bolhas, condensação e efervescência da Coca Zero. Essa abordagem levou à criação do tipo de fonte que ganhou o nome de Coke Sans Sugar.

Mais de 100 mil fotos de Coca Zero foram capturadas no exato momento em que as formas começaram a surgir, cada uma destacando um aspecto visual distinto do produto. A detecção de objetos por rede neural foi usada para reconhecer letras do alfabeto nesse vasto conjunto de imagens. Essas letras foram, então, compiladas em um kit de ferramentas digitais que permitem criar qualquer palavra, em qualquer idioma, de acordo com os recursos visuais compartilhados pela marca. Os tipos de fontes resultantes podem ser usadas na publicidade de Coca-Zero, como um outdoor, segundo o vídeo da marca.

A Coca-Cola investiu de forma pesada em inteligência artificial no ano passado. Em 2023, a IA desempenhou um papel importante no desenvolvimento de uma edição limitada de bebida, o sabor Y3000 Zero Sugar. Naquele ano, a gigante de bebidas também firmou acordo com a Bain & Company para explorar os aumentos dos esforços de marketing usando tecnologias da OpenAI. A Coca também lançou um site que permitia às pessoas criar arte digital usando tecnologia de IA. Mais de 16 milhões de consumidores interagiram com a iniciativa, chamada “Create Real Magic”, de acordo com o divulgado pela companhia.

Na semana passada, a Coca-Cola divulgou um crescimento de 7% na receita líquida, que ficou em US$ 10,8 bilhões no último trimestre de 2023 e US$ 45,8 bilhões ao longo de todo o ano passado.

Como parte dos esforços para deixar a Coca Zero “falar”, a marca também lançou quatro comerciais – com o produto como protagonista. No filme “Bodega Bottle Battle”, a Coca Zero ingressa em uma competição de canto, ao som do hit It’s Gonna Be Me, do NSync, para atrair os consumidores. Outros comerciais também personalizam as embalagens da Coca Zero de forma semelhante. Veja, abaixo, os comerciais da marca:

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Burger King traz “Greg” de Todo Mundo Odeia o Chris para campanha

    Burger King traz “Greg” de Todo Mundo Odeia o Chris para campanha

    Em passagem pelo Brasil, Vincent Martella, brinca com sua popularidade no País em campanha do BK

  • Apenas 8% dos negros ocupam cargos de liderança no Brasil, diz pesquisa

    Apenas 8% dos negros ocupam cargos de liderança no Brasil, diz pesquisa

    Realizada pelo Indique uma Preta e Cloo, a pesquisa revela ainda que menos de 5% das lideranças das 500 maiores empresas do País são negras