Já vi esse discurso

Buscar
Publicidade

Ponto de vista

Já vi esse discurso


25 de abril de 2011 - 10h17

Em primeiro lugar, quero deixar claro que “O Discurso do Rei” é um bom filme. Formalmente impecável, com grandes atuações, e uma pitada de interesse a mais por tratar da vida privada da realeza.
Mas o fato dele ter sido o vencedor do Oscar de melhor filme me incomoda. E me faz refletir um pouco sobre as premiações em geral, inclusive as publicitárias.

Por que o prêmio me incomoda? Porque apesar de todas as qualidades já arroladas no primeiro parágrafo do post, saí do filme com uma sensação de deja-vu. Talvez porque ele siga uma lógica já vista em inúmeras produções anteriores, algumas delas inclusive vencedoras desse mesmo prêmio.

Senão vejamos: o filme narra o encontro improvável entre duas pessoas de extratos sociais diferentes, unidas pelas circunstâncias. Um deles, representando o andar de cima (seja pela superioridade social, cultural, racial, etária ou financeira) e o outro o andar de baixo. O primeiro tende a uma postura mais arrogante e intolerante em relação ao segundo, que mantém uma postura mais humilde. Ao longo do filme, no entanto, a convivência entre os dois modifica o jeito de pensar do mais inflexível, a medida que vai ficando claro como um depende do outro. No final, eles estabelecem uma relação que se mostra frutífera para ambos, que terminam a história bem melhor do que estavam no começo. E todos nós saímos do cinema nos sentindo também melhores do que entramos.

Onde você já viu isso? Sem pensar muito, vêm na minha cabeça Jack Nicholson e Morgan Freeman confinados numa mesma sala de hospital em “Antes de Partir”. Ou o mesmo Morgan Freeman como motorista de Jessica Tandy em “Conduzindo Miss Daisy”, que inclusive também ganhou o mesmo Oscar de melhor filme lá em 1989. Ou, extrapolando um pouco, Dennis Quaid e Louis Gosset Jr. encenando o mesmo drama nos papéis de terráqueo e alienígena em “Inimigo Meu”, de 1985. E se formos aprofundar, com mais alguns minutos de brain vamos lembrar de mais algumas dezenas de produções e telefilmes envolvendo velhas rabugentas e garotinhas loiras, nobres e mordomos, chefes ortodoxos e funcionários cheios de idéias, sargentos furiosos e soldados rasos, etc…

Então, fico com a impressão que a Academia premiou um filme correto, diria até impecável. Mas sem novidade. Num ano em que pelo menos dois filmes, a meu ver, trouxeram mais frescor, mais experimentação, mais ousadia: o delírio psicanalítico de “Cisne Negro” e a História (com H maiúsculo mesmo) sendo feita nesse minuto de “A Rede Social”.

O que nos traz finalmente à reflexão sobre o papel das premiações, e aqui precisamos falar sobre o nosso quintal. Tenho participado de diversos júris nos últimos anos e vejo como as discussões acabam muitas vezes se polarizando entre peças mais ousadas e inovadoras contra outras que primam pelo apuro técnico. E muitas vezes o júri acaba pendendo por estas últimas.

Entendo que um júri que opta pelos “Discursos do Rei” está fazendo o elogio da forma, aplaudindo o rigor e o suor (e que todos sabemos que não é pequeno) de realizar uma peça bem-feita.
Mas entendo que um júri que, sem descuidar da forma, valoriza os “Cisnes Negros”, peças que flertam com o novo, que mexem no vespeiro, que ousam se diferenciar, muitas vezes correndo riscos – este sim está empurrando a nossa atividade pra frente. Gostaria de participar de mais júris assim.
 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Com Omo, Vinicius Jr amplia time de parcerias publicitárias

    Com Omo, Vinicius Jr amplia time de parcerias publicitárias

    Marca da Unilever escolhe jogador para celebrar duas décadas da campanha Se Sujar Faz Bem; Clear, Nike, Gatorade são outros anunciantes a firmar parceria com o craque nos últimos dias

  • Volkswagen mantém conta de mídia global na PHD

    Volkswagen mantém conta de mídia global na PHD

    A PHD, operação do Omnicom, manteve a conta de mídia do grupo Volkswagen após participar de processo de concorrência