Extra Care com a informação ao consumidor

Buscar

Extra Care com a informação ao consumidor

Buscar
Publicidade

Ponto de vista

Extra Care com a informação ao consumidor


13 de maio de 2011 - 9h56

 No meu post anterior falei sobre a publicidade colocada dentro de livros didáticos para crianças no Chile, e de como isso jamais aconteceria aqui no Brasil.

Seguindo um pouco na mesma vertente de examinar as veias abertas da libertinagem publicitária latino-americana, gostaria de compartilhar com os leitores do blog a embalagem de um chiclete Trident que comprei no México no mês passado.
A primeira vista parece muito com as nossas daqui, certo?
wraps
Só que uma análise um pouco mais detalhada (feita dentro do carro enquanto o semáforo não abria) me fez atentar para um lettering no canto superior esquerdo. 
wraps
A embalagem manda tomar 2 pastilhas 3 vezes ao dia.
Como se fosse um remédio. Mostrei a embalagem ao meu filho de dez anos, e perguntei o que ele entendia dessa frase.
Ele me disse, sem pestanejar: “Que eu tenho que mascar 2 pastilhas, 3 vezes ao dia.”
Vejam bem o verbo que ele usou: “tenho”. No sentido de “preciso”. Tipo “o doutor mandou”.

Essa falsa sensação que a embalagem cria fica ainda pior se a gente levar em conta que vem 14 chicletes dentro de cada uma.
Ou seja, para ter seus dentes protegidos, a pessoa teria que consumir uma embalagem dessas a cada 2 dias. 15 por mês.
Não preciso nem olhar a embalagem do Trident aqui no Brasil para saber que essa informação não consta nela.
Nem na americana. Essa aliás, eu achei no Tio Google:
 
wraps
Mesmo assim, nos Estados Unidos existe um processo correndo contra o Trident em função da frase na embalagem que fala que o chiclete “reconstrói os dentes”.
Porque dá a sensação de que mascando o chiclete, a pessoa não precisa mais ir ao dentista.
Não quero entrar no mérito do que o Trident faz ou não faz pelos nossos dentes, aqui, nos Estados Unidos ou no México.
E vou continuar fã dos chicletes que eles fazem (principalmente aquele da embalagem preta).
Só me chama a atenção sobre as diferentes maneiras de comunicar na embalagem.
Todo esse assunto me faz me sentir bem a respeito da seriedade e compromisso com que o Brasil e a nossa publicidade enfoca as questões do que pode e o que não pode ser tratado na comunicação dos produtos.

Eduardo Axelrud é diretor nacional de criação da Escala
 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Produtora especializada em entregas de digital acaba de abrir escritório em Miami, onde deve centralizar atendimento de multinacionais

  • Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Grupo de saúde reativa as atividades da Promarket, que foi responsável pela publicidade e comunicação do grupo de 1980 até 2012