Nois se cumunica?

Buscar
Publicidade

Ponto de vista

Nois se cumunica?


30 de maio de 2011 - 6h13

 Qual a relação entre o show and tell, conhecida prática da pré-escola americana, a professorinha do Rio Grande do Norte que deu ao país uma lição sobre educação, e o livro do MEC que liberou os estudantes brasileiros para falar errado? A meu ver, basta ligar os pontos para enxergar um dos desafios mais importantes para profissionais, empresas e países que não queiram se tornar irrelevantes no novo mundo da sociedade em rede: a competência de comunicação como fator crítico de sucesso.

Uma das coisas que impressiona quem teve a oportunidade de viver nos Estados Unidos é a desenvoltura com que a maioria das pessoas fala em público. À parte o acesso universal à educação pública, ainda acima da média dos países embora tenha perdido qualidade nos últimos anos, esta capacidade tem provavelmente relação com o show and tell, a prática de estimular as crianças a levar semanalmente algo interessante para a escola para apresentar aos colegas. Ou seja, o sistema estimula o exercício da comunicação antes mesmo de se completar a alfabetização, num ritual emblemático do valor atribuído a ela pelos americanos – talvez porque lá se reconheça a comunicação como condição para o empreendedorismo e a meritocracia, outros pilares da cultura americana.

No Brasil, ainda não conseguimos nos entender, sequer, sobre como tirar nossos estudantes do fim da fila dos índices globais de desempenho escolar – como prova o polêmico livro que estimula os estudantes a falar frases como “os menino pega os peixe” e considera a defesa do uso correto do idioma uma forma de “preconceito lingüístico”. Além de evidenciar até que ponto o exagero do politicamente correto está empobrecendo o encaminhamento de questões- chave para o país, o episódio mostra como ainda se tem uma visão limitada da importância da língua, e principalmente da comunicação, para a evolução das pessoas e sociedades.

Seja no debate público sobre educação, seja nas empresas, comunicação continua a ser tratada como uma função técnica, ignorando-se o quanto ela está se tornando uma competência estratégica nestes tempos de mudanças vertiginosas, em que a inovação tornou-se a única vantagem competitiva sustentável. Pois inovação, afinal, não depende apenas de educação formal e talentos isolados, mas da capacidade de interação entre profissionais de diferentes especialidades atuando com uma visão sistêmica. E isto só é possível quanto se tem habilidades sociais, capacidade relacional e comunicativa.

Faz mais de um século que os psicólogos explicaram o vínculo entre pensamento e língua, e é fácil constatar, na prática, que quem não se expressa bem geralmente tem dificuldade de articular, também, o pensamento. Agora, estamos descobrindo o quanto a comunicação tem função estruturante – ou seja, não ocorre como mera de troca de informações, mas é o meio pelo qual as pessoas alinham suas visões e vontades para fazer coisas em conjunto. As palavras, como no título de um livro clássico dos anos 50, How to do things with words, do inglês John AUSTIN, são o modo pelo qual construímos o mundo. Segundo o teórico canadense da comunicação James Taylor, são também o modo como criamos as organizações, entre as quais as empresas.

E aí chegamos à Amanda Gurgel, até alguns dias atrás apenas mais uma, entre milhares de professores brasileiros vitimados pela obtusidade histórica das políticas de educação no país. Num depoimento recente à assembléia legislativa do Rio Grande do Norte, ela fez um desabafo impactante sobre a impotência dos profissionais do magistério diante deste quadro de descaso – discurso que passaria totalmente desapercebido não fosse sua excepcional capacidade de comunicação. Em poucos dias, o vídeo de 8 minutos foi viralizado nas redes sociais e Amanda saiu do anonimato para a mídia de massa. O que prova, mais uma vez, que a web não é território apenas de banalidades, como alegam seus críticos. E que é cada vez mais possível fazer a diferença no mundo pelas ideias, desde que se tenha a capacidade de expressá-las com correção e persuasão. Tivesse seguido a cartilha do MEC, Amanda teria provavelmente falado em vão.

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Com Omo, Vinicius Jr amplia time de parcerias publicitárias

    Com Omo, Vinicius Jr amplia time de parcerias publicitárias

    Marca da Unilever escolhe jogador para celebrar duas décadas da campanha Se Sujar Faz Bem; Clear, Nike, Gatorade são outros anunciantes a firmar parceria com o craque nos últimos dias

  • Volkswagen mantém conta de mídia global na PHD

    Volkswagen mantém conta de mídia global na PHD

    A PHD, operação do Omnicom, manteve a conta de mídia do grupo Volkswagen após participar de processo de concorrência