Ideias x ideais

Buscar
Publicidade

Ponto de vista

Ideias x ideais


22 de junho de 2011 - 4h40

Agora que estou me aprofundando melhor no resultado do direct, diria que estamos meio como café solúvel, misturados a uma porção de outros ingredientes. Mas o fato é que claramente podemos ver aqueles que estão usando as novas tecnologias, redes sociais e aplicativos e os que estão sendo usados por eles.

É diferente quando você cria e depois pensa nos meios de atingir o consumidor e vice-versa. Neste sentido, até entendo Grand Prix da nossa categoria, uma iniciativa de muita coragem. Porque na realidade tá sobrando device e faltando conceito. Mesmo com toda esta coisa de contar histórias, os truques eletrônicos continuam encantando, como protagonistas, o que não deveria acontecer. Mas também tem coisa bacana, que merece ser premiada, quando alguém cria um novo modelo de negócios, a partir da plataforma digital, como foi o caso do supermercado TESCO, que encheu o metrô da Korea de gôndolas virtuais, em tamanho real. Voltando para casa, você escanea o QR code diretamente dos produtos expostos e faz a sua compra, que é entregue em casa. Aí, sim… Comunicação, inovação e resultado andam juntos. Valeu os 2 ouros. Outro exemplo simples: salve seu arquivo com a extensão WWF (sim,sim, a ONG), o que significa que o arquivo não deve ser impresso. Isso é inteligente, o insight veio antes da tecnologia. Ainda vou “caçar mais algumas pérolas” e por conta disso os leões do Brasil continuam tendo mérito. Mas fora destes propósitos, tenho a sensação que estamos vivendo o momento da “instalação”na comunicação. Lembra nos anos 70, quando tudo na arte tinha que ser instalação?

Agora é com a gente: são provocações sob a forma de performances, flashmobs, objetos ou de feitos surpreendentes que temos que criar para tentar sensibilizar nosso target. A reação social está envolvida nisso. O aval da compra ou da atitude em relação a uma marca tem que ter o aval da comunidade. Enfim, estratégias para “desarmar as pessoas”que queremos atingir. Tá todo mundo fazendo isso até que se resolva o que será da comunicação na próxima década. Até lá, pelo menos, continuo acreditando que as ideias e os ideais vëm antes. 

 Marisa Furtado é sócia, vice-presidente e diretora de criação da Fábrica Comunicação Dirigida

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Produtora especializada em entregas de digital acaba de abrir escritório em Miami, onde deve centralizar atendimento de multinacionais

  • Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Grupo de saúde reativa as atividades da Promarket, que foi responsável pela publicidade e comunicação do grupo de 1980 até 2012