A evolução dos PDVs na pandemia

Buscar

Marketing

Publicidade

A evolução dos PDVs na pandemia

Relatório de tendências da Smollan iTrade indica principais tendências e inovações no ponto de venda após impactos da Covid-19

Fernando Murad
21 de dezembro de 2020 - 6h42

Os desdobramentos sanitários e econômicos da pandemia de Covid-19 aceleraram a taxa de mudança e o desenvolvimento de tendências a partir da reformulação de prioridades dos consumidores e do surgimento de novas necessidades a serem atendidas pelas marcas. Os impactos e as transformações nos pontos de venda foram temas de um levantamento da Smollan, que identificou cases e insights ao redor do mundo.

As análises foram feitas pelo time da empresa no mundo (são 80 mil funcionários em 50 países) a partir da observação de mais de 860 mil pontos de venda. Os principais insights foram passados para o comitê de inovação, que envolve a participação de membros de todas as diferentes operações no mundo, que compilou e elaborou o relatório final. Veja abaixo.

Confiança como tema de inovação
Os consumidores desenvolveram um novo conjunto de valores: de segurança e conveniência. Eles agora priorizam a higiene e a saúde, tanto física quanto mental. E essas prioridades são evidentes em suas escolhas de produtos e em muitas atividades cotidianas. Agora há, por parte deles, muito mais enfoque em como as empresas se esforçarão para proteger seus funcionários e consumidores.

Saúde e higiene
Os bloqueios impostos pelo governo pediram que os indivíduos assumissem a responsabilidade por sua própria segurança — para ficar em casa e achatar a curva. Agora, à medida que as restrições são relaxadas e as pessoas retornam ao trabalho, as empresas se tornam responsáveis pela saúde e segurança de seus funcionários e clientes.
Aqui temos Alibaba, na China, com um QR Code com uma pesquisa de saúde simples. Os resultados fornecem a todos os usuários chineses um código de saúde — verde, amarelo ou vermelho. Ele determina se o usuário está ou não apto a sair de casa sem representar um risco para os outros. Funcionários estacionados em vários postos de controle em todo o país monitoram os códigos de saúde individuais. A Amazon também começou a construir um laboratório de testes de Covid-19 para seus funcionários.

Distanciamento
Os aplicativos não apenas ajudam a garantir o distanciamento social nas lojas, mas também foram criados para registrar como está sua ocupação para ajudar as pessoas a evitar os espaços congestionados. O site Line Scouts, por exemplo, permite que as pessoas registrem o quão ocupada sua experiência de compra está, para ajudar as outras a saber quando devem ir às compras. Já o US restaurant booking system permite que as pessoas reservem horários específicos de compras. Os supermercados Albert Heijn, na Holanda, usaram a Inteligência Artificial para regular o número de pessoas em suas lojas. A Rombit criou o Romware Covid Radius, um bracelete digital que garante o distanciamento social e permite o rastreamento de contatos. Um sensor de distância, desenvolvido pela SmartEagle, usa sensores ópticos para medir o número de pessoas em uma sala e a que distância estão. O sensor soa um alarme quando as pessoas estão a menos de 1,4 metro.

Proximidade
Enquanto precisamos aumentar a distância entre nós e os outros, vemos que em outras situações a proximidade diminuiu. Trabalhando em casa, muitas pessoas no Reino Unido estão comprando em lojas de conveniência perto de suas casas. Dessa maneira, as distâncias que precisam viajar diminuem. E, como consequência, a cesta de produtos ofertados pelo tipo de ponto de venda muda.

Na Rússia, os supermercados instalaram máquinas de venda automática em blocos de apartamentos. Na África do Sul, a Smollan criou a Gwalisa, uma pequena máquina de venda projetada para lojas no formato quiosque que permite que os consumidores escolham e paguem. Uma solução de venda semelhante pode ser encontrada no Vietnã, onde um caixa eletrônico distribui arroz. Uma máquina de venda automática de comida quente foi montada na China para produzir 36 refeições em 16 minutos. Mas as máquinas de venda automática não estão sendo usadas apenas para vender alimentos. Em Hong Kong e na Polônia, as máquinas de venda automática agora distribuem produtos de higiene.

Interação e ativação
Muitos varejistas trabalharam duro para permanecer abertos para os clientes. Para manter seus funcionários e consumidores seguros, eles implementaram medidas físicas inovadoras. A Tilda, uma loja de vinhos em Los Angeles, usou uma parede transparente para separar a seção de inventário de seus clientes. Há também um telefone que ajuda o caixa e o shopper a se comunicar. Para reforçar a segurança dos funcionários, o Carrefour Belgium distribuiu coletes amarelos adornados com uma mensagem convidando os clientes a respeitar o princípio do distanciamento social. A Triax Technology criou uma etiqueta vestível que alerta os colaboradores quando violam as regras de distanciamento social no trabalho.

As restrições removeram todos os funcionários não essenciais das lojas e interromperam as ativações de varejo. Isso forçou as marcas a encontrar maneiras inovadoras de interagir com seus clientes. Deciem e Kiehl’s usaram plataformas de tecnologia para oferecer aos clientes consultas digitais individuais. As marcas também estão usando redes sociais como Instagram e TikTok para lançar produtos, apresentar ativações ao vivo ou promover produtos atuais através de embaixadores da marca.

Finanças
O “medo econômico” começou a superar o “medo viral”. Para incentivar os gastos dos clientes, empresas estão ajudando os consumidores a serem caridosos. Para ajudar as pequenas empresas a cobrir seus custos operacionais fixos enquanto não podem operar, eles agora podem comprar cupons online, que serão resgatados assim que as restrições de bloqueio forem reduzidas. A Pick N Pay, varejista da África do Sul, vende comprovantes que podem ser enviados via SMS. Dessa maneira, os interessados podem ajudar outras pessoas que possam estar enfrentando dificuldades financeiras.

Um grande obstáculo que muitas pequenas empresas enfrentam à medida que se movem online é a capacidade de receber pagamentos. A Yoco, empresa de soluções de pagamento, lançou um conjunto de soluções de pagamento online para comerciantes para ajudar a sustentar seu fluxo de caixa durante a pandemia.

Colaboração
A colaboração tem sido essencial para a sobrevivência das empresas em função das consequências de uma pandemia inesperada e severas restrições de bloqueio. As grandes usaram seu tamanho e escala para apoiar as pequenas. Por meio dessas parcerias, compartilharam conhecimento, serviços, recursos, cargas de trabalho e ajudaram a garantir a estabilidade da cadeia de suprimentos.

Em países onde as compras online não eram tão populares anteriormente, muitas empresas não tinham infraestrutura para atender à demanda durante o lockdown e até mesmo após. O varejista da África do Sul, Pick n Pay, fez uma parceria com a empresa de entrega de bebidas, Bottles, para estender sua oferta sob demanda aos supermercados. A colaboração proporcionou à empresa de entrega, proibida de operar sob restrições de bloqueio, a chance de gerar receita como um provedor de serviços essencial.

As colaborações entre varejistas e empresas de entrega não foram destacadas apenas para serviços essenciais. À medida que o bloqueio diminui, o aumento da demanda por compras e entrega online permanece. Uber Eats adicionou novas categorias de produtos ao seu banco de dados. Agora é possível encomendar livros e recebe-los à sua porta no mesmo tempo necessário para entregar sua refeição favorita. Essas novas parcerias e o caminho para os mercados mudarão o cenário existente e abrirão novos canais de vendas e atendimento que superam a pandemia.

Publicidade

Compartilhe