Ministério Público arquiva investigação contra In Loco

Buscar

Mídia

Publicidade

Ministério Público arquiva investigação contra In Loco

Parecer judicial estabelece que a companhia não cometeu qualquer irregularidade no fornecimento de seus serviços


9 de março de 2020 - 9h47

(Crédito: Reprodução)

Por unanimidade, a 6a Câmara de Coordenação e Revisão da Ordem Jurídica Cível Especializada do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) arquivou o inquérito para investigar a obtenção de dados pessoais de brasileiros pela In Loco.

Instaurado em stembro de 2018, o inquérito tinha o objetivo de investigar como a empresa, por meio do fornecimento de suas soluções de tecnologia de geolocalização, obtinha dados de 60 milhões de pessoas no Brasil.

Em sua defesa, a In Loco informou que, embora os dados de geolocalização sejam obtidos por meio de aplicativos, parceiros da empresa, instalados pelos usuários em seus smartphones, a empresa não acessa, armazena, trata, vende ou cede informações de identidade pessoal dos usuários do aplicativo.

Após 15 meses de análises, o promotor de Justiça Frederico Meinberg Ceroy determinou o arquivamento do processo por entender que “a empresa exerce um modelo de negócio que está em conformidade com a legislação vigente, uma vez que não há coleta de dados que permita a vinculação direta ao titular dos dados pessoais.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • In Loco

  • Conteúdo

  • midia

  • digital

  • privacidade

  • processo

  • dados

  • informacoes

  • justica

  • Investigação

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”