Unilever deixa de anunciar nas redes sociais nos EUA

Buscar

Mídia

Publicidade

Unilever deixa de anunciar nas redes sociais nos EUA

Empresa adere ao boicote ao Facebook, mas para de veicular também no Instagram e Twitter por conta da polarização na política norte-americana


26 de junho de 2020 - 16h45

Nesta sexta-feira, 26, a Unilever entrou para a lista de empresas que aderiram ao boicote ao Facebook, alinhada ao movimento de organizações dos direitos civis que pede um maior posicionamento das rede social contra discurso de ódio. A companhia, no entanto, tomou uma atitude mais ampla e incluiu outras redes sociais na estratégia, anunciando que irá parar de veicular peças publicitárias no Facebook, Instagram e Twitter nos Estados Unidos até o final do ano. A empresa incluiu o Twitter por conta da polarização política acirrada na plataforma por conta da eleição presidencial norte-americana.

 

Empresa destina recursos investido nas redes para outras mídias (Crédito: Reprodução)

A dona das marcas Dove, Hellmann’s e Clear, dentre outras, afirma que irá direcionar seus investimentos em publicidade para outras mídias. De acordo com o banco de dados e plataforma de inteligência Pathmatics, a Unilever destinou US$ 42,3 milhões para o Facebook em 2019. “Continuar anunciando nessas plataformas no momento não agregaria valor às pessoas e à sociedade. Vamos monitorar continuamente e revisaremos nossa posição atual, se necessário”, afirmou a Unilever em comunicado.

Não é a primeira vez que a empresa pressiona redes sociais. Em 2018, Keith Weed, até então diretor de marketing da Unilever, ameaçou tirar investimentos de plataformas digitais como Facebook e YouTube caso não fosse garantido um ambiente seguro para suas peças publicitárias.

O boicote ao Facebook começou a ganhar força esta semana e já conta com aderência de Verizon, The North Face, Patagonia, REI, Ben & Jerry’s, Eddie Bauer e Magnolia Pictures.

**Crédito da imagem no topo: Piranka/iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • facebook

  • unilever

  • Twitter

  • Instagram

  • Redes Sociais

  • Brand Safety

  • Discurso de ódio