TV é o primeiro canal na busca de informação sobre vacina

Buscar

Mídia

Publicidade

TV é o primeiro canal na busca de informação sobre vacina

Estudo da Toluna mostra, também, que 72% dos entrevistados pretendem tomar a vacina assim que possível

Bárbara Sacchitiello
29 de janeiro de 2021 - 6h00

(Crédito: Pixabay)

Com a primeira etapa de vacinação ainda lenta, mas já em andamento em todo o território nacional, a Toluna realizou um estudo para mapear a percepção dos brasileiros a respeito da imunização. De acordo com a amostra pesquisada, a maior parte das pessoas (68%) procura se informar a respeito dos assuntos relacionais à vacinação pela TV.

Na sequência, os jornais aparecem como o meio em que as pessoas mais procuram informação sobre a vacina (citados por 60% dos respondentes). As redes sociais aparecem em terceiro lugar, com 49% das citações, seguida pela rádio, com 22%.

A pesquisa foi realizada no dia 22 de janeiro e ouviu 850 pessoas, sendo 46% homens e 54% mulheres, das classes A, B e C, e mostrou que, mesmo com as desinformações e desconfiança que ainda pairam a respeito da vacinação, a maior dos brasileiros (72%) declarou que pretende tomar a vacina contra a Covid-19 assim que chegar a sua vez, de acordo com a ordem de grupos prioritários estabelecida. Já 9% dos entrevistados disseram que preferem esperar até que boa parte da população esteja imunizada para se vacinar. Outros 9% pontuaram que comprariam a vacina na rede privado, caso estivesse disponível e 3% responderam que não confiam na vacinação e, por isso, não tomariam.

Entre os tipos de vacinas já disponíveis, a maioria dos entrevistados (43%) declarou não ter preferência por nenhum laboratório e que tomaria qualquer uma que estivesse aprovada pelas autoridades de saúde. Cerca de 15%, no entanto, disseram que preferiam tomar a vacina de Oxford, desenvolvida em parceria com a farmacêutica Astrazeneca, que começou a ser aplicada no Brasil nesta semana. Outros 12% declararam preferência pela vacina da Pfizer/Biontech; 6% citaram a preferência pela Coronovac, enquanto 4% citaram a vacina indiana Covaxin.

O estudo também consultou os entrevistados a respeito da retomada das atividades: 36% afirmaram que pretendem encontrar familiares apenas quando tomarem a segunda dosa da vacina, enquanto 29% prometeram que, assim que estiverem totalmente imunizados, voltarão a frequentar bares. Parte das pessoas, no entanto, afirmaram que já retomarem essas atividades mesmo antes da imunização chegar.

Mesmo depois da vacina, as pessoas parecem dispostas a manterem os cuidados adotados no período de distanciamento social. Para 44%, mesmo tomando a segunda dose da vacina, ainda não será confiável frequentar festas. E, para 56%, será importante manter o uso de álcool em gel e máscaras mesmo depois da vacinação.

Publicidade

Compartilhe