Microsoft: Google e Facebook devem pagar publishers

Buscar

Mídia

Publicidade

Microsoft: Google e Facebook devem pagar publishers

Empresa apoia proposta australiana que exige apoio financeiro das empresas de tecnologia à imprensa livre


15 de fevereiro de 2021 - 18h30

Por Advertising Age

A Microsoft diz que os Estados Unidos devem adotar sua própria versão de uma proposta de lei australiana que forçaria o Google e o Facebook a pagar aos publishers o valor que suas histórias geram nas plataformas digitais dos gigantes da internet.

 

Como forma de ganhar mercado para o Bing, Microsoft promete pagar as taxas aos publishers na Austrália (Crédito: Mohammad/Unsplash)

“Os Estados Unidos não devem se opor a uma proposta australiana criativa que fortaleça a democracia ao exigir que as empresas de tecnologia apoiem a imprensa livre”, escreveu o presidente e diretor jurídico da Microsoft, Brad Smith, em um post no blog na semana passada. “Ele deve copiá-lo em vez disso”, declarou.

O Google, da Alphabet Inc., tem lutado contra a lei e até ameaçou fechar seu mecanismo de busca na Austrália. Smith e o Satya Nadella, CEO da Microsoft, entraram em contato com o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para dizer que ficariam felizes pelo Bing, seu buscador, permanecer no país, tomar parte do mercado e pagar as taxas. O Facebook disse que está considerando impedir os australianos de compartilhar notícias em suas contas pessoais na rede.

Smith apoiou a Microsoft como uma forma de promover uma indústria de notícias saudável e um discurso democrático, mas isso poderia ajudar a Microsoft a pressionar uma vantagem nos mercados onde não conseguiu fazer muito progresso — o Bing tem menos de 5% de participação na Austrália, onde o Google é dominante. Também não é a primeira vez que Smith mira em um rival sobre questões regulatórias nas quais os próprios interesses da Microsoft estavam em jogo. No ano passado, ele disse que os reguladores antitruste deveriam examinar as políticas da App Store, da Apple, em meio a uma disputa entre as duas empresas sobre aplicativos de jogos.

O Google contesta a caracterização de Smith. “Não somos contra fornecer apoio à indústria”, diz Richard Gingras, vice-presidente de notícias do Google. “A questão é, o que estamos pagando? E esses arranjos estão estruturados de forma justa e equitativa para todo o ecossistema de editores, bem como para nossos acordos comerciais com esses editores?”, questiona.

O Facebook tem uma relação complicada com os publishers, que dependem da rede social para alcançar os usuários, mas também lutam para ganhar dinheiro com o serviço. A empresa tentou diferentes abordagens, incluindo um produto chamado Artigos Instantâneos, no qual os editores hospedaram suas histórias na rede do Facebook em troca de uma redução nas vendas de anúncios. Em 2018, o australiano Rupert Murdoch, presidente da News Corp., pediu publicamente ao Facebook para começar a pagar organizações de notícias por seu trabalho.

A lei australiana proposta se aplica ao Facebook e ao Google, de modo que Bing não pagaria sob seus termos atuais. A Microsoft compensa as organizações de notícias por meio de acordos de licenciamento para o MSN e disse no ano passado que pagou mais de US$ 1 bilhão desde 2014. O Google começou a pagar meios de comunicação selecionados para exibir conteúdo com curadoria em seu aplicativo de notícias e reservou mais de US$ 1 bilhão para cobrir os três primeiros anos do programa. O Facebook também paga atualmente alguns editores para compartilhar histórias dentro de uma seção dedicada a notícias em seu aplicativo principal.

“O que há de errado em compensar as organizações de notícias independentes pelos benefícios que os guardiões da tecnologia derivam deste conteúdo?”, Smith escreveu. Ele também encorajou o governo de Joe Biden, presidente dos EUA, a não intervir com a Austrália em nome do Google e do Facebook. Citando violentos distúrbios em Washington em 6 de janeiro, Smith argumentou que há maior necessidade para uma imprensa forte nesse momento.

“A proposta da Austrália reduzirá o desequilíbrio de negociação que atualmente favorece os guardiões da tecnologia e ajudará a aumentar as oportunidades para o jornalismo independente”, disse ele. “Mas esta é uma questão definitiva do nosso tempo, no coração de nossas liberdades democráticas”, pontuou.

**Crédito da imagem no topo: Absolutvision/Unsplash

Publicidade

Compartilhe