Netflix: 40% dos novos assinantes escolhem versão com publicidade

Buscar

Netflix: 40% dos novos assinantes escolhem versão com publicidade

Buscar
Publicidade

Mídia

Netflix: 40% dos novos assinantes escolhem versão com publicidade

Plataforma de streaming adicionou 9,3 milhões de clientes a sua base no primeiro trimestre de 2024


19 de abril de 2024 - 8h15

Netflix publicidade

Problema dos 3 Corpos, uma das séries de sucesso da Netflix deste início de 2024 (Crédito: Divulgação)

Com informações do Ad Age

De todos os novos assinantes que a Netflix conquistou no mundo no primeiro trimestre deste ano, 40% optaram pela modalidade mais barata, que inclui a exibição de anúncios publicitários.

Esse foi um dos dados divulgados pela companhia nesta quinta-feira, 18, que obteve no primeiro trimestre de 2024 um crescimento acima do esperado, graças a uma lista reforçada de novos conteúdos originais combinada com a política de restrição do compartilhamento de assinaturas.

A plataforma de streaming adicionou 9,3 milhões de novos consumidores no primeiro trimestre de 2024, de acordo com os resultados divulgados pela companhia nesta quinta-feira, 18. Esse desempenho é quase o dobro dos 4,84 milhões que haviam sido projetados pelos analistas.

A Netflix conquistou mais clientes em todos os mercados, com crescimento especial nos Estados Unidos e Canadá. Esses novos assinantes também ajudaram a companhia a superar a previsão de vendas e lucros.

Os resultados mostram uma recuperação da desaceleração ocorrida em 2021 e 2022, marcando o maior crescimento da Netflix no início de um ano desde a pandemia.

Isso se deve, em grande parte, à repressão da empresa ao compartilhamento de senhas – a Netflix estima que cerca de 100 milhões de pessoas, no mundo, acessavam conteúdo da plataforma sem pagar pela assinatura.

Embora os executivos da empresa temessem uma reação negativa por parte dos clientes, a companhia acabou conseguindo convencer milhões de pessoas a pagarem pelo acesso.

Esses novos clientes tiveram bastante conteúdo para assistir. Nas ultimas semanas, a Netflix lançou obras de sucesso, como as séries A Grande Ilusão, Griselda, O Problema dos 3 Corpos e o reality Casamento às Cegas.

O serviço de streaming já é responsável por 8% da audiência de TV dos Estados Unidos e é o canal de TV líder em muitos mercados de mídia no mundo.

“Com mais de duas pessoas por domicílio, em média, temos uma audiência de mais de meio bilhão de pessoas”, disse a companhia em conferência com investidores. “Nenhuma empresa de entretenimento jamais programou nessa escala e com essa ambição.”

A partir do primeiro trimestre de 2025, a companhia vai parar de divulgar os dados trimestrais de novos assinantes e de receita por cliente. O objetivo é mudar o foco da empresa para dados financeiros mais tradicionais, como receita, vendas e lucro. A companhia, no entanto, continuará divulgando os marcos mais importantes relacionados às assinaturas.

A Netflix registrou vendas de US$ 9,33 bilhões, um crescimento de 15% em comparação com o mesmo período do ano passado. O lucro líquido cresceu para US$ 2,33 bilhões.

Os analistas financeiros temem que essa curva de crescimento desacelere após o término do efeito das assinaturas provenientes do fim do compartilhamento das senhas. Ainda assim, mesmo os analistas mais céticos ficaram impressionados com o desempenho da empresa.

Para tentar sustentar esse crescimento futuro, a Netflix lançou uma versão mais barata de assinatura, apoiada por publicidade, além de estar investindo mais em conteúdo ao vivo, como especiais de stand-ups e campeonatos de luta-livre.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Levantamento da Brain investigou hábitos de consumo de redes sociais entre diversas faixas etárias; WhatsApp é o app líder entre todas as gerações

  • Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Após ter aumentado assinatura no mercado norte-americano, plataforma também terá novos valores no País a partir de setembro