Porta dos Fundos produzirá e fará consultoria para marcas

Buscar

Porta dos Fundos produzirá e fará consultoria para marcas

Buscar
Publicidade

Mídia

Porta dos Fundos produzirá e fará consultoria para marcas

Nova frente de negócios tem a meta de auxiliar as empresas a se conectarem com o público se tornando publishers de conteúdo


19 de agosto de 2020 - 16h00

Nesta quarta-feira, 19, o Porta dos Fundos anuncia uma nova unidade de negócios voltada a realizar consultoria e produzir conteúdo para marcas. Denominada Porta dos Outros, a área visa oferecer a expertise de criação de conteúdo da empresa da ViacomCBS para marcas que caminham para se tornar publishers de conteúdo próprio. “Estamos abrindo as portas da casa para as empresas”, brinca Christian Rôças (Crocas), CEO do Porta dos Fundos.

 

Empresa já realiza produção para Skol (Crédito: Divulgação/Porta dos Fundos)

A unidade responde a uma demanda do próprio mercado em busca de uma conexão mais legítima e fiel com os consumidores através do conteúdo. De acordo com Crocas, grandes marcas começaram a liderar um movimento para encontrar alternativas à publicidade tradicional e intrusiva para estar em contato com o potencial consumidor e, então, começaram a experimentar com conteúdo para divertir ou emocionar o público.

“Vamos partir do entendimento da missão da companhia e quais são os pontos de conexão dela com a audiência, temas e assuntos e, se ela já trabalha com influenciadores, respeitar o tom de voz deles. A partir disso, vamos desenhar um plano editorial customizado e a ideia é de que realizemos a produção também”, descreve o CEO. A unidade é composta pela equipe que já trabalha com a marca Porta dos Fundos e, eventualmente, contratados específicos para determinados projetos. A intenção é formar equipes de roteiristas para cada cliente e trabalhar como uma redação, diz Rôças.

A nova frente já tem clientes e um projeto no ar: o programa Leveza Desce Bem, com Rafael Portugal e Thati Lopes (atores do Porta dos Fundos) para o canal do YouTube da Skol. O Porta dos Outros é um projeto elaborado deste o início de 2020 e acelerado pela pandemia do novo coronavírus. A produção para Skol, por exemplo, foi criada em razão do período — para trazer diversão e leveza para o público durante o momento angustiante.

De acordo com o executivo, a empresa percebe uma abertura com agências e clientes que já notaram que a criação de um conteúdo bem feito é um processo longo de entendimento da voz da marca e aperfeiçoamento de roteiro e que reconhece a capacidade do Porta dos Fundos para cuidar dessa estratégia. Os projetos sendo negociados incluem formatos diversos, inclusive criação de conteúdo para redes específicas, como TikTok.

O desafio nessa relação é esclarecer para as marcas que tornar-se publisher necessita de intenção verdadeira de servir à audiência ao invés de vender diretamente. “Temos que mostrar que ela não é o centro das atenções, a publicidade está aí para isso. Ninguém gosta de ser interrompido, e sim se ser entretido e cuidado. É estabelecer uma relação emocional e propósitos fortes antes de vender o peixe. Já tem muitos no mercado notando que esse é um caminho sem volta”, afirma Crocas.

Assim como a pandemia acelerou a criação do Porta dos Outros, o executivo divide a opinião de que o momento também propiciou que a empresa reafirmasse para o mercado seu know-how na produção de conteúdo, mesmo que remotamente, com qualidade e reforçou a imprescindibilidade dos players de se arriscarem neste momento de crise. “Os líderes de marcas estão atentos ao pulso da situação e percebendo que precisam se comprometer com uma comunicação nova”, relata.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Fora do BBB 24, Beatriz Reis já faz ‘publi’ para a própria Globo

    Fora do BBB 24, Beatriz Reis já faz ‘publi’ para a própria Globo

    Participante do reality aparece em vídeo publicado nas redes sociais da emissora convidando o público a acompanhar as três novelas da grade

  • Músicas de Taylor Swift retornam ao TikTok

    Músicas de Taylor Swift retornam ao TikTok

    Canções da cantora estavam fora da plataforma devido a impasses em contrato de licenciamento com a Universal Music, gravadora que a representa