Reels gera 40% mais engajamento para as marcas no Instagram

Buscar

Reels gera 40% mais engajamento para as marcas no Instagram

Buscar
Publicidade

Mídia

Reels gera 40% mais engajamento para as marcas no Instagram

Estudo da Emplifi mostra que, apesar de quase metade das marcas publicar pelo menos um Reels, formato representa apenas 7,5% dos conteúdos das empresas


22 de setembro de 2022 - 14h54

Com o boom dos vídeos curtos trazidos inicialmente pelo TikTok, os Reels, do Instagram, se tornaram o tipo de postagem mais envolvente para a plataforma desde o início de 2022. Essa constatação é fruto de uma pesquisa da Emplifi, ex-Socialbakers, que revelou o desempenho da funcionalidade, quantificando o seu impacto e o seu crescimento.

O levantamento mostrou que a contagem mediana de interações nos Reels é quase 40% maior do que as postagens de vídeo tradicionais no Instagram. Além disso, quase 50% das marcas na plataforma publicaram pelo menos um Reels no segundo trimestre deste ano. No ano passado, apenas 30% das marcas estavam postando conteúdo neste formato na rede social.

 

Mais de 60% das marcas esportivas já publicam Reels para engajar a sua audiência (Crédito: Ascannio/shutterstock)

 

Marcas com mais engajamento no Reels

Segundo a pesquisa, as cinco marcas com mais engajamento nos Reels são: Pleasing, Netflix, Tesla, Netflix Brasil e Lamborghini. Dentre as marcas que publicam Reels, as esportivas têm destaque. De acordo com o estudo, mais de 60% delas já publicam Reels para aumentar o engajamento com os seguidores. Apesar de o vídeo estar ganhando espaço dentro da estratégia de mídias sociais das marcas, esse formato representa somente 7,5% das postagens das empresas, excluindo Stories.

Audiência descontente?

Nos últimos tempos o algoritmo do Instagram tem priorizado o alcance dos Reels. O próprio CEO da plataforma, Adam Mosseri, confirmou que o Instagram está deixando de ser uma rede social de fotos, que era a sua essência, para se tornar cada vez mais uma plataforma de vídeos, assim como o seu principal concorrente, TikTok.

Entretanto, a atualização tem gerado a insatisfação dos criadores não só no Brasil, como no mundo. Em julho, as irmãs influencers, Kylie Jenner e Kim Kardashian compartilharam uma postagem que tinha um link para uma petição para fazer a rede social voltar a ser o que era antes. “Faça o Instagram ser o Instagram de novo. Pare de tentar ser o TikTok, eu só quero ver fotos fofas dos meus amigos. Sinceramente, todo mundo”, dizia o post.

O movimento nostálgico começou com a usuária Tati Bruening, conhecida como Illumitati na plataforma, e posteriormente outros nomes aderiram, inclusive celebridades nacionais, como Gabriela Pugliesi e Kéfera Buchmann.

Apesar das críticas, a plataforma não deixará de investir nos vídeos. Em um post em sua conta no Instagram, em julho deste ano, Mosseri enfatizou que “cada vez mais o conteúdo no Instagram irá se tornar vídeo ao longo do tempo”. No mesmo período, um porta-voz da Meta reforçou, ao Meio & Mensagem, que o Reels é o formato que mais cresce no Instagram, sendo responsável hoje por 20% do tempo que as pessoas passam na plataforma.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Netflix conquista 8 milhões de novos assinantes no segundo trimestre

    Netflix conquista 8 milhões de novos assinantes no segundo trimestre

    Plataforma de streaming superou as projeções, impulsionada pela opção de assinatura com anúncios publicitários

  • Record aposta em Marcia Fu para abordar Olimpíada no digital

    Record aposta em Marcia Fu para abordar Olimpíada no digital

    Canal da Fu! abordará assuntos diversos, tendo como início os Olímpicos de Paris, para aproveitar a experiência da ex-atleta