The New York Times cria time dedicado à IA

Buscar

The New York Times cria time dedicado à IA

Buscar
Publicidade

Mídia

The New York Times cria time dedicado à IA

The New York Times visa explorar como IA e machine learning pode auxiliar nos processos da redação do veículo

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


31 de janeiro de 2024 - 6h00

O jornal americano The New York Times se prepara para formar uma equipe cujo propósito é explorar o uso da inteligência artificial gerenativa em sua redação.

The new york times

Veículo irá contratar engenheiros, designers e editores para compor equipe (Crédito: Reprodução)

De acordo com diretor editorial para iniciativas ligadas à IA, Zach Seward, o time se dedicará a desevolver técnicas que possam auxiliar e reportagens. No entanto, o jornal afirma que embora queira trazer a tecnologia para a empresa, o jornalismo ainda será escrito e editado por jornalistas.

Por ora, o The New York Times só conta com Zack Seward na equipe, mas afirma que irá contratar profissionais para otros cargos. Entre eles: engenheiros de machine learning, engenheiros de software, designers e mais editores. Além disso, o time irá dialogar com demais áreas do veículo para colaborar com ideias.

Apesar dessa iniciativa, o jornal já processou o ChatGPT, alegando que a IA reproduz os materiais produzidos pelo veículo.

No ano passado, diversos veículos jornalísticos mundiais avançaram no uso da IA generativa a favor do conteúdo e entregas publicitárias. O Estadão e O Globo já utilizam a tecnologia nos processos do veículo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Google assina acordo para criar centro de pesquisa em São Paulo

    Google assina acordo para criar centro de pesquisa em São Paulo

    As obras de construção do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) IPT começam em setembro de 2024; Google já começa a compor a equipe de engenheiros e desenvolvedores

  • Plataforma de streaming processa Fox, Disney e Warner nos EUA

    Plataforma de streaming processa Fox, Disney e Warner nos EUA

    Fubo.TV alega que o novo streaming esportivo, que unirá as três companhias, tende a prejudicar a concorrência