Justiça autoriza Kirin a assumir a Schincariol

Buscar

Marketing

Publicidade

Justiça autoriza Kirin a assumir a Schincariol

Acionistas minoritários da companhia brasileira já preparam recurso contra a decisão


11 de outubro de 2011 - 4h45

Depois de quase dois meses sem novidades, a venda da Schincariol para a Kirin volta a ter desdobramentos. Nesta terça-feira 11, a Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo revogou a liminar que suspendia a compra de 50,45% pertencentes aos acionistas majoritários da Schincariol (os irmãos Adriano e Alexandre Schincariol) pela companhia japonesa.

Os desembargadores, em decisão unânime, reconheceram o direito de preferência de compra da companhia pelos sócios minoritários da Schincariol (José Augusto, Daniela e Gilberto Schincariol Junior, primos de Adriano e Alexandre) que entraram com o pedido pela suspensão da venda. Mas entenderam que o fato de os minoritários não efetuarem depósito de valor similar ao oferecido pela Kirin (cerca de R$ 4 bilhões) era incompatível com o interesse na negociação com os majoritários.

Informalmente, os japoneses, como já sinalizaram anteriormente, reafirmam a intenção de manter os acionistas minoritários em posições estratégicas da Schincariol. Mas não confirmam a possibilidade de fazerem uma oferta pelos 49,55% da companhia pertencentes à Jadangil.

Na prática, a decisão confere a Kirin o poder de assumir a gestão da companhia de bebidas brasileira. Mas a disputa judicial ainda está longe de fim. Na tarde desta terça-feira, a Jadangil divulgou nota oficial informando que já prepara recurso contra a decisão.

wraps

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”