Como identificar – e prevenir – o burnout dentro das agências

Buscar

Como identificar – e prevenir – o burnout dentro das agências

Buscar
Publicidade

Comunicação

Como identificar – e prevenir – o burnout dentro das agências

Líderes de empresas criativas internacionais compartilharam com o Advertising Age medidas para evitar o esgotamento mental das equipes


4 de agosto de 2021 - 12h16

*Do Advertising Age

(Crédito: Ajijchan/istock)

O mundo da publicidade nunca dorme. Essa frase pode até ter sido usada por muitos anos para definir a intensidade do trabalho da indústria criativa, mas depois de um ano com as fronteiras entre trabalho e casa rompidas, a preservação da saúde mental tem se tornado primordial na manutenção das equipes e também no relacionamento com os clientes. Todas as dificuldades do home office, como os animais de estimação interrompendo reuniões no Zoom, a tarefa de acompanhar o ensino à distância dos filhos em meio à rotina de trabalho, associados ao aumento do tempo passado dentro de casa, ao isolamento, medo e agitação social, podem estar cobrando seu preço. E no fim, do dia, quando parece que chegou a hora do descanso, as notificações de celular e e-mail continuam aparecendo.
As atuais condições de trabalho impostas pela pandemia foi um dos temas debatidos na Small Agency Conference, evento anual do Advertising Age, nos Estados Unidos, que debate o universo das pequenas agências de publicidade. Durante a programação, lideres de diferentes empresas deram dicas de como vêm tentando preservar a saúde mental de seus colaboradores e prevenir casos de burnout (o esgotamento mental).

Coloque-se à frente do seu trabalho
Reconhecer os sinais do burnout e reservar um tempo para investir no bem-estar pessoa é o primeiro passo na jornada de construção um ambiente de trabalho mais saudável. Embora isso seja mais fácil na teoria do que na prática, uma boa forma de começar é estabelecer limites e tempo para as atividades.

Talvez a prática de exercícios ou a busca por conforto espiritual ajudem a acalmar. Ou, então, a saída pode ser uma sessão de terapia semanal. Praticar o autocuidado de forma consistente é fundamental para evitar o burnout e o tempo reservado para isso também é fundamental. Em sua apresentação na conferência, Elizabeth Rosenberg, da The Good Advice Company, detalhou como chegou ao colapso por conta do excesso de trabalho e como, a partir disso, começou a oferecer ajuda financeira aos colaboradores para que eles investissem em métodos de relaxamento ou em treinamentos para lidar com o stress. Segundo ela, é necessário marcar hora na agenda para essas atividades – e não pulá-las por outros compromissos ou reuniões.

Investir em si mesmo também significa estender o mesmo respeito aos limites das outras pessoas. Liderar pelo exemplo e ter empatia pelos altos e baixos dos funcionários não irá gerar somente um local de trabalho mais saudável, mas também mais bem-sucedido.

Escolha pessoas em vez de lucro
Para cultivar uma equipe forte e moralmente ética, as agências devem estar abertas a mudanças e inovação. Ajustes simples nas programações semanais ou no protocolo das reuniões podem fazer uma grande diferença e garantir que o time tenha tempo e energia para entregar um trabalho de mais qualidade.

“Nos últimos dois anos, construímos o avião ao mesmo tempo em que pilotávamos”, contou Rosenberg. “A realidade é que a forma como trabalhamos e a maneira como as pessoas reagem ao trabalho – e a resistência que elas vêm tendo a essa rotina diária – nos forçará a uma mudança. Então, estar na vanguarda dessa transformação colocará a empresa em um lugar melhor”, completou.

A executiva sugere, por exemplo, que os líderes de empresa não marquem reuniões às sextas-feiras, permitindo que as pessoas trabalhem ao longo daquele dia sem interrupções, o que ajuda a manter o foco e diminuir a sensação de sobrecarga de trabalho ao fim da semana. Outra ideia é tentar evitar a marcação de várias reuniões no mesmo dia, o que pode causar caos e ansiedade.

Rosenberg e também Paulo Carvajal, da Noble People (que também participou da conferência) destacaram a importância de manter um senso de comunidade e dar feedback. Rosenberg, por exemplo, implementou um sistema de classificação do humor de sua equipe: no começo de cada reunião, os participantes definem, em uma escala de 1 a 5, como está seu estado emocional naquele momento. Já Carvajal costuma ter conversas individuais frequentes com sua equipe, sem marcar na agenda. A ideia é ouvir reclamações, conversar sobre as férias e experiências e, com isso, criar um ambiente de conforto para que as pessoas se sintam confortáveis a falarem sobre esgotamento ou problemas profissionais.

“A primeira maneira de identificar o burnout é me mostrando vulnerável. Dessa forma, isso dá aos funcionários a abertura para dizer “Bem, se ela está se sentindo dessa forma, eu também posso estar do mesmo jeito”, declarou Dawn Wade, da Nimbus, também durante o evento.

Valores compartilhados
O tratamento da questão do burnout também deve ser estendido a quem trabalha com a agência. Notícias de última hora e o fato de querer aproveitar rapidamente as tendências que aparecem podem gerar nos clientes uma onda de expectativas e de demandas ininterruptas. Respeitar os limites também fora da agência é algo importante. “Posso dizer sim aos projetos com os quais quero trabalhar e não aos que não quero. E as diretrizes são decididas de antemão, com todos os envolvidos e eles têm sido muito respeitosos com isso”, declarou Rosenberg.

Wade, da Nimbus, falou sobre a importância de contar com clientes que tenha valores que estejam alinhados com a agência. Quando as questões sobre justiça racial nos Estados Unidos tomaram grandes proporções, no ano passado, a Wade, uma agência multicultural, foi chamada para lidar com várias demandas de treinamentos, comunicados e campanhas em torno do assunto, mas ela declarou que nem todos os clientes estavam dispostos a trabalhar.

A maneira mais importante de prevenir o burnout, de acordo com os especialistas, é tratar a si mesmo – e a toda a equipe – como seres humanos. Comunidade e empatia são essenciais para promover uma comunicação mais aberta dentro das agências, garantindo que cada membro da equipe tem apoio para realizar seu melhor trabalho. “Vivemos e trabalhamos em uma indústria que prega que trabalhar mais significa trabalhar melhor. E esse, definitivamente, não é o caso”, declarou Rosemberg.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Estratégia de marketing da marca de Consumer Healthcare da Sanofi, cocriada com a Globo e a agência WMcCann, envolve um novo modelo de merchandising

  • Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Marca usa estreia no reality show, com festa patrocinada, para promover campanha destacando as propriedades dos produtos