Líderes de Stonewall, trans aparecem pouco na publicidade

Buscar

Comunicação

Publicidade

Líderes de Stonewall, trans aparecem pouco na publicidade

Pessoas transexuais começam a protagonizar mais campanhas no Brasil, mas há espaço para mercado evoluir na representação desse público


21 de junho de 2019 - 14h36

Por Isaque Criscuolo e Thaís Monteiro

“Vocês me falam para colocar meu rabo entre as pernas. Eu não vou aturar isso. Eu já fui espancada, tive meu nariz quebrado, já fui para a cadeia, perdi meu emprego e perdi meu apartamento para o movimento de libertação gay. E vocês me tratam assim? Qual é o problema de vocês? Eu acredito no gay power e que vamos conseguir nossos direitos. Se não, não estaria lutando por eles”, enunciou Sylvia Rivera na Parada do Orgulho LGBT de Nova York, em 1973.

Transgênera e latina, Sylvia se referia a uma omissão de pessoas transsexuais, transgêneros e drag queens por reforçarem estereótipos de gênero. Algo, segundo ela, injusto tendo em vista a importância dos mesmos em uma das revoluções mais marcantes para o movimento: a Revolta de Stonewall, a noite em que o público presente no Stonewall Inn, um dos poucos bares que recebiam LGBTQ+, decidiu responder a uma invasão violenta da polícia de Nova York. “Se não fosse por uma drag queen, não haveria movimento de libertação gay. Nós fomos a linha de frente”, declarou ela em entrevista, anos depois, contextualizando que foram as pessoas trans que fizeram o corpo a corpo conta a violência policial.

 

Sylvia Rivera e Marsha P. Johson foram ativistas, líderes e símbolo para o movimento LGBTQIA+ em Nova York (Crédito: Reprodução)

A Revolta de Stonewall aconteceu em 28 de junho de 1969 e o marco histórico, que completa 50 anos em 2019, será lembrado nas Paradas do Orgulho deste ano. Ainda assim, foi só nos últimos cinco anos que pessoas trans, protagonistas na revolta, começaram a figurar com maior presença na publicidade brasileira. Para Rafaela Soares, mulher trans e produtora de eventos na Oito.agency, a primeira campanha que a impactou foi a peça criada para o Dia da Mulher pela L’oreal Paris estrelada pela Valentina Sampaio (modelo transgênero embaixadora da marca).

No entanto, para ela, ainda há espaço para evolução, inclusive nas situações em que trans são colocados nas campanhas. “É preciso trazer à luz informações relevantes, mostrar um pouco da vida, das histórias, dos dramas e conquistas trans. As pessoas têm medo daquilo que não conhecem. Mostrar a causa trans de forma humanizada e delicada talvez seja a maneira mais assertiva de se conseguir espaço e ganhar, além da representatividade, respeito”, declara.

Para Ali Bravo Ruas, homem trans e finalizador na Sagaz filmes, as atuais campanhas publicitárias ajudam a dar visibilidade para a população trans. “Quando eu era criança, não lembro de saber da existência de pessoas trans. Veja só, eu nem sabia que existiam. Lembro só de alguns ícones que apareciam da forma ‘errada’ na sociedade. Por exemplo, a Roberta Close, que sempre que aparecia na televisão era vista apenas como o cara que cortou o pênis fora; a Rogéria também, sempre puxavam pra um lado mais sexual. Nunca era falado realmente sobre transexualidade. Era tabu. Acredito que hoje, com algumas marcas promovendo campanhas com pessoas trans, novelas inserindo atores e personagens trans sendo retratados como pessoas normais, aos poucos vamos desmistificar muita coisa”, diz.

Coincidentemente, neste início de ano três campanhas com protagonistas trans foram lançadas. Uma delas é a releitura da clássica campanha “Meu primeiro sutiã”, criado pela W/GGK para a Valisère em 1987, sob a perspectiva de uma menina trans. O remake foi feito pela Madre Mia Filmes para a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra). De acordo com Rafa Damy, diretor de cena na produtora, a Antra entrou em contato porque conhecia a experiência da empresa com a temática.

A Madre Mia Filmes foi responsável por criar “True Colors”, peça para o Grupo Gay da Bahia que mostra um filho presenteando um pai trans no Dia dos Pais. A comunicação, produzida pela Vapt Filmes — uma das empresas do Grupo G8 — e criado pela agência Propeg, ganhou Leão de Prata na categoria Film no Cannes Lions de 2018.

(Crédito: Divulgação/Antra)

Este ano a campanha da Associação Nacional de Travestis e Transexuais nas redes sociais promove o resgate do protagonismo trans no movimento LGBTQ+ e lembra a figura de Marsha P. Johnson, mulher trans e negra que dedicou sua vida ao movimento. Junto com a amiga Sylvia Rivera, Marsha fundou a Street Transvestite Action Revolucionaries (Star), uma organização que abrigava e lutava pelos direitos da sigla. Marsha foi morta em Nova York em 1992. As investigações policiais foram encerradas sem uma conclusão sobre quem a matou e por qual motivo.

Ainda este mês, a Shell Rimula, marca da Shell, veiculou a história da caminhoneira Afrodite na série “De Causo em Causo”, criada pela Wunderman. A descoberta da personagem se deu por uma busca em grupos de caminhoneiros nas redes sociais, conta Fernando Tomeu, diretor de criação da Wunderman. Para a marca, o produto não só cuida do motor e do caminhão, mas também entende que os caminhoneiros têm outras necessidades específicas e enfrentam fantásticas jornadas pessoais. “Dessa forma, nosso objetivo é mostrar uma ótica mais humana, trazendo um lado inusitado e desconhecido dos profissionais que vivem nas boleias”, diz Carla Salgueiro, gerente de marketing da Shell Lubrificantes.

“Desde que começamos a trabalhar com Shell Rimula, entramos de cabeça no universo dos caminhoneiros. É um universo muito particular e, ao entender o público, vimos que ele é muito heterogêneo, que existem histórias fantásticas dentro dessa categoria que sempre foi tratada de forma homogênea. Então, nesse sentido, a gente decidiu focar em histórias de individualidade, mostrando a trajetória de alguns caminhoneiros”, explica Fernando Tomeu.

Por último, outra comunicação marcante deste início de ano foi a da Gillette no Canadá, que mostra o primeiro barbear de um jovem trans, que é auxiliado por seu pai. A criação é da Grey Canadá e faz parte da campanha #MyBestSelf. Além desses trabalhos, são reconhecidas comunicações como a da Avon, que colocou a cantora e apresentadora Candy Mel para protagonizar campanhas como uma para o Outubro Rosa em 2015 ou a de L’Oréal Paris, que celebrou o primeiro Dia da Mulher da modelo Valentina Sampaio em 2016.

Diversidade nos bastidores
Por trás das câmeras, talvez o desafio seja ainda maior. “Mesmo no nosso mercado, na área de humanas, e mais especificamente nas áreas de moda, publicidade, PR, onde, em tese deveria ser um meio mais inclusivo, com uma maior representatividade de minorias, infelizmente ainda estamos presos a um cenário em que o homem branco cis é o rei e a mulher trans está sempre por baixo, sobrevivendo de migalhas”, afirma Renata Bastos, mulher trans coordenadora de moda na Agência Lema.

Para Ali Bravo Ruas, esta inclusão ainda está no começo. “Acredito que cada vez mais essa inclusão deve ser feita. Alguns conteúdos não tem como serem desenvolvidos sem pessoas trans. Vejo muitas marcas em que toda a criação é feita por pessoas cis e pedem apenas uma consultoria para trans — quando pedem. No meio da publicidade e do audiovisual no geral, acredito que quanto mais diversidade de pessoas, melhores conteúdos sairão dali”, diz.

A Madre Mia Filmes não tem profissionais trans em sua equipe, mas conta com consultoria de Cézar Sant’Anna, homem trans que protagoniza a campanha “True Colors”, quando a empresa realiza projetos com a mesma temática. Ainda assim, a empresa afirma que é uma produtora que nasceu com DNA feminino e tem um grande grupo de mulheres comandadas por Telma dos Reis, sócia e diretora comercial. 

A Shell, por sua vez, não abre dados sobre o número de funcionários por conta de políticas internas, mas estimula a criação de redes de afinidades para discutir e atuar interna e externamente em temas relacionados aos interesses de cada grupo. A que discute inclusão LGBTQ+ é denominada TRUEColors, presidida por Yasmin Reis. A empresa também integra o Fórum de Empresas e Direitos LGBTQ+, onde assinou um termo que estabelece dez compromissos para promover um ambiente respeitoso, seguro e saudável para as pessoas LGBTQ+, realiza reuniões, campanhas de apoio, sessões de terapia e busca estreitar laços com a Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual (CEDS) da Prefeitura do Rio de Janeiro com o objetivo de refletir sobre futuras oportunidades dentro da estratégia de recrutamento da empresa em relação à questão trans, diz Yasmin.

“O mercado está dando os primeiros passos, vejo startups engajadas na causa, algumas grandes marcas apoiando o movimento, mas ainda precisamos evoluir muito. Há pouco tempo atrás, pessoas trans só encontravam duas portas abertas:  salões de beleza e prostituição. Acho que a palavra chave neste momento é oportunidade. Tem muita gente talentosa só precisando disso para brilhar no mercado de trabalho”, afirma Rafaela.

“Espero que as marcas não usem as pessoas trans apenas como figura ilustrativa nos comerciais. Espero que as mesmas empresas de campanhas bonitas, insiram pessoas trans trabalhando com elas. Que ajudem a capacitar essas pessoas para o mercado, uma vez que sabemos que muitos trans saem cedo de casa / são expulsos e não tem a oportunidade de concluir os estudos”, diz Ali.

 

**Crédito da imagem no topo: Peter Hershey/Unsplash

Publicidade

Compartilhe