WPP: situação na Ucrânia ofusca projeções otimistas

Buscar
Publicidade

Comunicação

WPP: situação na Ucrânia ofusca projeções otimistas

Mark Read afirma que investimento publicitário deve se manter forte apesar do cenário de instabilidade geopolítica; grupo espera crescer 5% em 2022

Isabella Lessa
24 de fevereiro de 2022 - 11h13

Mark Read, CEO do WPP, emitiu comunicado interno em que diz que companhia está oferecendo apoio financeiro aos funcionários do grupo na Ucrânia (Crédito: Divulgação)

Divulgado nesta quinta-feira, 24, o balanço financeiro do WPP relativo a 2021 foi ofuscado pela guerra da Rússia contra a Ucrânia. As ações do FTSE 100, índice composto pelas cem maiores empresas listadas na bolsa de valores de Londres, recuaram 7%.

Apesar da instabilidade geopolítica, a holding espera crescer 5% em 2022. Segundo o CEO Mark Read, o ano de 2021 foi o que apresentou o crescimento orgânico mais rápido em 20 anos. A receita líquida cresceu 3% em relação a 2019 e 13,3% em relação a 2020.

A receita orgânica do quatro trimestre cresceu 10,4% ante 2020 e 3,6% na comparação com o mesmo período em 2019.

Com isso, a margem operacional da companhia subiu de 12,9% em 2020 para 14,4%.  O EBITDA teve aumento de 18,2, o que possibilitou lucro de US$ 2,4 bilhões.

“Foi um ano excepcional para o WPP. Nosso crescimento, impulsionado por fortes demandas pelos nossos serviços em marketing digital, mídia, e-commerce e tecnologia, resultou em nosso crescimento orgânico mais rápido em 20 anos. Como resultado, estamos dois anos à frente do planejado, atingindo nossa meta de receita para 2023 em 2021”, afirmou Read, em comunicado.

Situação da Ucrânia

O CEO enviou um comunicado interno a todas as agências da companhia expressando preocupação com os eventos na Ucrânia. O WPP possui 200 funcionários no país europeu, distribuídos em empresas como GroupM, Wunderman Thompson, Hill+Knowlton, VMLY&R e Ogilvy.

“Temos trabalhado muito próximos às nossas lideranças na Ucrânia há algum tempo e estamos fazendo o que podemos para apoiar nossas pessoas nessa situação que é muito fluida e profundamente preocupante”, disse o executivo.

Ele também informa que a companhia está oferecendo apoio financeiro para as pessoas que trabalham no país, assim como orientações e assistência em caso de evacuação e realocação de Kiev para outras regiões da Ucrânia ou outros países.

*Crédito da imagem do topo: Shutterstock

Publicidade

Compartilhe

Veja também