Winity se torna quarta operadora no Brasil com lote de 5G

Buscar
Publicidade

Marketing

Winity se torna quarta operadora no Brasil com lote de 5G

Apenas 7 capitais estão preparadas para a tecnologia; VP da R/GA, Edson Sueyoshi, diz o que o padrão pode significar para o mercado publicitário

Sergio Damasceno Silva
4 de novembro de 2021 - 13h01

A Winity II Telecom Ltda., ligada ao Fundo Pátria, venceu nesta quinta-feira, 4, a disputa pelo primeiro lote do leilão do 5G, o lote 1, na faixa de frequência de 700 MHz. Com isso, se torna a quarta operadora de telefonia móvel com autorização para oferecer o serviço em todo o País, ao lado de Claro, TIM e Vivo. Apenas três ofereceram lance para o lote. O lance mínimo para esse lote, previsto no edital, era de R$ 157.628.411,00. O valor pago pela Winity II, de R$ 1,407 bilhão, é 805% superior ao mínimo exigido pelo governo.

O leilão da 5G, o maior da história brasileira de faixas de frequência e um dos grandes do mundo, com viés não arrecadatório, e sim de investimentos em infraestrutura, está em disputa nesta quinta-feira, 4, por 15 empresas, lideradas pelas grandes teles Claro, TIM e Vivo (a Oi Móvel não participa porque está em fase de aquisição pelas três operadoras).

A despeito do volume e atenção despertados, apenas sete das 27 capitais brasileiras estão totalmente preparadas para a nova tecnologia de comunicações, conforme levantamento da Conexis Brasil Digital (antiga SindiTelebrasil), entidade que reúne as principais operadoras que atuam no País. A licitação prevê que as empresas comecem a oferecer o 5G até 31 de julho de 2022, mas o cumprimento desse compromisso e a qualidade do serviço dependem, também, dos próprios municípios. Assim, estariam mais preparadas para o 5G apenas Boa Vista, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Palmas, Porto Alegre e Porto Velho.

A avaliação da Conexis usa como referência a lei municipal de antenas de cada capital e o grau de aderência aos dispositivos da legislação federal sobre o tema, que é a Lei Geral de Antenas (LGA), de 2015. A necessidade de antenas para o 5G é maior do que para frequências como o 2G, 3G e 4G, e, embora a competência sobre a instalação de antenas seja da União, muitos municípios avançam sobre o tema ao impor restrições a esse tipo de equipamento por meio de leis sobre uso e ocupação do solo. Ainda segundo a Conexis, nove estariam em estágio intermediário de adequação: Cuiabá, Goiânia, João Pessoa, Macapá, Maceió, Manaus, Recife, Salvador e São Luís. E Belo Horizonte, Florianópolis, Rio de Janeiro e São Paulo foram citadas como cidades que ainda “estão trabalhando na alteração da legislação por leis mais modernas e aderentes à legislação federal”.

Edson Sueyoshi, VP de tecnologia & produção da R/GA (crédito: divulgação)

Em entrevista a Meio & Mensagem, o vice-presidente de tecnologia & produção da R/GA, Edson Sueyoshi, diz o que o 5G pode significar para o mercado publicitário e para a economia brasileira.

Meio & Mensagem – O leilão do 5G está atrelado à expansão da cobertura 4G em localidades não atendidas hoje em dia por esse padrão. Relatório Speedest Globa Index, da Ookla, indica que a velocidade da internet móvel do Brasil está abaixo da média mundial e, pelo menos, 9 milhões de brasileiros ainda não são atendidos pela 4G. nesse cenário, qual será o impacto da 5G, que deve ser focada, inicialmente, em capitais e para segmentos econômicos de nicho, como o agronegócio?
Edson Sueyoshi – Trazer a infraestrutura para a conectividade de dispositivos móveis, onde será possível oferecer internet rápida e confiável sem a necessidade de cabeamento físico, como fibra ótica.

M&MPara a publicidade, qual deve ser o maior impacto da 5G, num momento em que se debate o metaverso e a possibilidade, com essa rede, de fazer eventos online com alto nível de realidade virtual e uso de inteligência artificial (IA)?
Sueyoshi – As ideias para mídia ou ativações que caem por falta de infraestrutura de conectividade em determinado local já terão maiores chances de serem concretizadas com a cobertura do 5G. Sem contar a ampliação de soluções que precisam de uma resposta em tempo real, em regiões cobertas com o 5G. Além disso, a alta velocidade e confiabilidade das conexões permitem também que um alto tráfego de dados em vídeo e A/R (realidade aumentada) de alta fidelidade sejam atendidas.

M&MEm termos de macroeconomia, a cada padrão de internet móvel adotado, já foi comprovado o acréscimo ao PIB. O que se pode esperar com o desenvolvimento da tecnologia para os negócios e anunciantes?
Sueyoshi – Aumento de oportunidades para empresas de conectividade, fabricação e comercialização de equipamentos compatíveis com o 5G e de produção de conteúdo digital que explorem os benefícios dessa tecnologia, permitindo que marcas atinjam consumidores que tinham um grande obstáculo em oferecer uma experiência ideal por restrições técnicas.

M&MAlém das três teles – Claro, TIM e Vivo – mais 12 empresas concorrem às faixas do leilão desta quinta-feira. Na sua percepção, o que muda em termos de competitividade e oferta de redes?
Sueyoshi – Empresas com o know-how de conectividade – mesmo de porte limitado – seja por regionalidade ou estratégia de negócios, atraem investidores interessados nas oportunidades que o 5G vai oferecer ao mercado brasileiro. Isso abre possibilidades para diferentes ofertas nas regiões a serem cobertas.

M&MO leilão brasileiro é um dos maiores do mundo em redes móveis. Qual é o impacto disso para a economia brasileira?
Sueyoshi – Tem o potencial de movimentar uma economia que, apesar da crise que acompanhou a pandemia, dá sinais de retomada e crescimento da atividade econômica. E novos investimentos em infraestrutura e serviços geram oportunidades de trabalho.

M&MDiretamente para uso publicitário, o que você espera do padrão 5G?
Sueyoshi – O Brasil é um país continental e ter a devida cobertura de serviços de conectividade para todo o território é um problema. Se o padrão de 5G vai trazer possibilidades de alta conectividade em grandes centros, que traga também conectividade aceitável para o restante do país. Desta forma, já será possível escalar ou adaptar soluções digitais em eventos, ativações ou experiências mais imersivas, para diversas regiões brasileiras, impactando mais pessoas.

Publicidade

Compartilhe

Veja também