Lei anti-aborto pode impactar produções da Disney, Netflix e Warner

Buscar
Publicidade

Mídia

Lei anti-aborto pode impactar produções da Disney, Netflix e Warner

Empresas de entretenimento consideram parar de filmar no estado da Georgia, nos Estados Unidos, em resposta a lei regional que proíbe o aborto

Karina Balan Julio
31 de maio de 2019 - 8h00

Algumas das maiores empresas de entretenimento do mundo, incluindo a Netflix, Disney e Warner Media, disseram esta semana que podem vir a parar de produzir filmes no estado da Georgia, nos Estados Unidos, em resposta a uma nova lei anti-aborto local. No início de maio, o governador da Georgia, Brian Kemp, assinou uma lei que criminaliza abortos a partir de aproximadamente seis semanas de gravidez, prevista para entrar em vigor em janeiro do ano que vem.

O estado é considerado um hub para a indústria do entretenimento por conta das isenções fiscais a diretores e produtoras. Tais empresas, porém, disseram esta semana que podem vir a abdicar de vantagens fiscais. Um dos argumentos, segundo elas, é o de que estrelas e produtores a favor do aborto boicotarão eventuais produções na região.

“Acho que muitas pessoas que trabalham para nós não vão querer filmar projetos lá, e nós teremos que dar atenção a aos seus anseios neste sentido. Por enquanto, estamos observando o assunto com muito cuidado”, disse o CEO da Disney, Bob Iger, à Reuters.

“Temos muitas mulheres trabalhando em produções na Georgia e cujos direitos vão ser restritos severamente com esta lei. É por isso que vamos trabalhar com entidades para combater esta política na corte. Uma vez que a lei ainda não foi implementada, continuaremos a filmar na região, mas também apoiaremos parceiros e artistas que não quiserem filmar por lá”, disse o chief content officer da Netflix, Ted Sarandos, à revista americana Variety.

“Caso a lei venha a ser implementada, teremos que repensar todo o nosso investimento na Georgia”, disse Sarandos.
Já a Warner Media, propriedade da AT&T que controla empresas como HBO, TNT e CNN, afirmou que a companhia pode parar de produzir novos projetos no estado, apesar de ter milhares de funcionários na região e uma sede da CNN na cidade de Atlanta.

“Operamos e produzimos projetos em muitos estados e países, mas isso não significa que concordemos com todas as posições tomadas por um governo e seus líderes. vamos observar de perto a situação e, caso a lei seja aplicada, reconsideraremos a Georgia enquanto uma locação para novas produções”, disse a Warner Media em comunicado.

Além disso, a NBC Universal, da Comcast, afirmou em comunicado que a implementação de políticas anti-aborto podem “impactar fortemente a tomada de decisão sobre as locações onde a empresa produzirá seu conteúdo no futuro”.

Outros líderes de produtoras americanas disseram que não filmarão no estado, entre elas Duplass Brothers Productions, Killer Filmes, Blown Deadline Productions.

Publicidade

Compartilhe

Veja também