Spotify e a estratégia por trás do podcast de Mano Brown

Buscar
Publicidade

Mídia

Spotify e a estratégia por trás do podcast de Mano Brown

Em projeto "Mano a Mano", artista trará convidados para política, religião, esporte, sociedade e cultura

Thaís Monteiro
24 de agosto de 2021 - 10h46

Na quinta-feira 26, o Spotify estreia um novo podcast original, desta vez um apresentado pelo músico Mano Brown, do grupo de rap Racionais MCs. Intitulado “Mano a Mano”, a produção visa explorar outras características do artista além de sua música. Por isso, a cada episódio, Mano Brown discutirá macrotemas, de política a religião e esporte, com convidados especiais. Ao todo, são 16 episódios que serão lançados semanalmente.

 

(Crédito: Pedro Dimitrow/Divulgação)

Já constam na lista de convidados Karol Conká, Dráuzio Varela, o pastor Henrique Vieira, Vanderlei Luxemburgo e Fernando Holiday. O projeto tem direção direção criativa da Agência Gana e produção da Mugshot e da Boogie Naipe.

Conforme Ary Nogueira, Co-CEO da Gana, a ideia inicial para o produto foi a atender a necessidade de ter uma pessoa preta poderosa na posição de entrevistador, já que esses são raros e também é raro conteúdos que tratam de religião, antropologia e cultura a partir da perspectiva preta. Mano Brown vai entrar em novas conversas com respeito a pluralidade e choque de ideias.

“A proposta é abrir mais conversas para o público preto participar, além disso, para quem está a fim de escutar um pouco mais sobre o povo brasileiro, acredito que esse projeto será muito importante”, explica Nogueira.

De acordo com Javier Piñol, diretor do Spotify Studios na América Latina e US Latin, o original reforça o compromisso do Spotify de ser o melhor destino para podcasts. Já a figura de Mano Brown atende a demanda dos ouvintes e fãs do artista.

“Mano Brown é uma das vozes artísticas mais importantes e influentes no País; diferentes gerações esperam e buscam ouvir a sua voz. Esperamos uma troca vívida entre ele e seus convidados, também nomes relevantes do cenário brasileiro, de forma intimista, que soa mais como uma conversa do que uma entrevista comum”, argumenta.

Por fim, a Mugshot avalia o projeto como resultado de uma evolução do mercado de produção dos podcasts. Segundo Gilvana Viana, diretora e sócia da Mugshot, os podcasts sobreviviam em nichos, mas essa realidade mudou muito. O “Mano a Mano” conta com time forcado, estrutura profissional para produção sonora e intelectual de pautas de relevância social, o que indica a profissionalização do mercado. “A Mugshot, como produtora de som, já vem observando o aumento de demanda para as atividades da cadeia produtiva desse universo”, diz a executiva.

**Crédito da imagem no topo: Malte Wingen/Unsplash

Publicidade

Compartilhe

Veja também