Google revela ter retirado mais de 3,4 bilhões de anúncios do ar em 2021

Buscar
Publicidade

Mídia

Google revela ter retirado mais de 3,4 bilhões de anúncios do ar em 2021

Ação foi apresentada em relatório de segurança de publicidade online, divulgado pela empresa nesta quarta-feira, 4


4 de maio de 2022 - 12h33

O Google apresentou nesta quarta-feira, 4, seu relatório de segurança de publicidade online. Com a ideia de promover a segurança de seus usuários em relação aos anúncios e monetização de conteúdo na plataforma, em 2021, a companhia diz ter retirado mais de 3,4 bilhões de anúncios do ar, restringido mais de 5,7 bilhões de publicidades e suspendido mais de 5,6 milhões de contas de anunciantes.

 

Google vem tomando medidas para aumentar a segurança dos usuários, publishers e anunciantes na plataforma (crédito: Sergei Elagin/shutterstock)

A empresa ainda bloqueou anúncios que teriam ido parar em mais de 1,7 bilhão de páginas individuais de publishers e diz ter tomado medidas mais severas contra 63 mil sites de publishers que demonstraram violações disseminadas ou flagrantes no ano passado. “Seguimos investindo nessas políticas, em equipes especializadas e em tecnologia que ajude a garantir o cumprimento das regras. Nosso objetivo é estar sempre à frente de possíveis ameaças”, afirmou a empresa, em seu blog.

O Google também criou ou atualizou mais de 30 políticas para anunciantes e publishers, que englobou um novo sistema de “avisos” para casos de violações repetidas, além uma política de proibição a discursos que neguem as mudanças climáticas e uma certificação para seguros de saúde sediados nos Estados Unidos, que permite apenas anúncios de empresas registradas junto ao governo, fornecedores primários de serviços e operadoras licenciadas.

Outras iniciativas

Apesar de o relatório se referir à 2021, ele também apresenta as medidas da empresa em relação à guerra da Ucrânia. O Google criou o “Evento sensível”, uma iniciativa que proíbe anúncios que pretendem lucrar ou explorar a guerra, que se uniu às outras políticas da plataforma, como as que proíbem a monetização ou a publicação de anúncios em conteúdo que incite a violência ou negue a existência de acontecimentos trágicos.

A empresa também interrompeu grande parte de suas atividades comerciais na Rússia, inclusive paralisando os anúncios exibidos naquele país e nas publicidades de anunciantes com sede na Rússia. O Google também suspendeu a monetização de veículos de imprensa financiados pelo governo russo, em todas as suas plataformas. Além disso, até o momento, a companhia já bloqueamos mais de oito milhões de anúncios relacionados à guerra e desmonetizamos mais de 60 sites de veículos de imprensa financiados pelo governo russo.

Durante a pandemia, a empresa também constatou uma alta nas atividades fraudulentas, como a criação simultânea de milhares de contas e o uso de técnicas como cloaking ou manipulação de texto para mostrar aos avaliadores humanos da empresa e sistemas um conteúdo publicitário diferente do que aparece para usuários, o que acaba dificultando a identificação desses anúncios.

Para tentar barrar iniciativas como essa, a companhia investe na verificação da identidade dos anunciantes, assim como na identificação das atividades coordenadas entre diferentes contas, através de sinais de rede. Sempre que um anunciante não conclui o programa de verificação do Google, sua conta é automaticamente suspensa. Entre 2020 e 2021, a empresa triplicou o número de suspensão de contas.

No ano passado, a companhia também dobrou seus esforços contra conteúdos duvidosos, principalmente relacionados à pandemia. Foram bloqueados anúncios em mais de 500 mil páginas que não cumpriam as políticas da plataforma relacionadas a afirmações prejudiciais à saúde sobre Covid-19, ou que traziam afirmações comprovadamente falsas e capazes de prejudicar a confiança e a participação no processo eleitoral. “Estamos trabalhando com afinco para prevenir violações em anúncios relacionados à Covid-19, o que foi particularmente importante em 2021 no caso de afirmações relacionadas a vacinas, testes e preços de suprimentos fundamentais, como máscaras”, disse a companhia, em seu blog. Desde o início da pandemia, o Google bloqueou mais de 106 milhões de anúncios relacionados à Covid e passou a apoiar ONGs e governos locais com o equivalente a US$ 250 milhões em Ad Grants, para conectar as pessoas a informações confiáveis sobre vacinas.

Em um novo ajuste global de suas políticas de monetização, em 2021, o Google ainda lançou uma política sobre Afirmações Duvidosas relacionadas às mudanças climáticas, que passou a banir anúncios que promovem a negação da mudança climática.

Com o objetivo de proteger as marcas e os anunciantes, em 2021, a empresa acrescentamos um recurso aos controles para anunciantes, que permite às marcas fazerem o upload de listas dinâmicas de exclusão. Com isso, os anunciantes passam a ter acesso aos recursos e conhecimentos especializados de organizações confiáveis, para proteger ainda melhor suas marcas e reforçar campanhas.

Para ajudar os publishers a moderar conteúdo gerado por usuários, como comentários, no ano passado, o Google lançou diversos recursos, como um infográfico, um post, uma seção e tutorial em vídeo. A empresa ainda fez melhorias específicas no processo de aprovação de publishers, que ajudam a aprimorar a identificação e o bloqueio de pessoas mal-intencionadas, antes mesmo que elas criem uma conta. Como resultado, o Google reduziu o número de sites que exigem iniciativas no próprio site, em comparação com anos anteriores.

Neste ano, o Google pretende continuar trabalhando essas áreas com o intuito de proteger seus usuários, anunciantes e publishers. Uma parte importante desse objetivo é aumentar a transparência e o controle sobre os anúncios que as pessoas veem. O novo recurso “Sobre este anúncio” está sendo lançado globalmente, e vai ajudar usuários a entender por que uma propaganda foi mostrada e quem é o anunciante. Ela também permite enviar um alerta sobre um anúncio, caso a pessoa acredite que a peça está violando nossas políticas, ou bloquear um anúncio que não seja considerado relevante.

 

Publicidade

Compartilhe

Veja também