Google proíbe anúncios que negam mudanças climáticas

Buscar
Publicidade

Mídia

Google proíbe anúncios que negam mudanças climáticas

A nova política da gigante das buscas visa coibir anunciantes que espalham desinformação sobre ciência ambiental


8 de outubro de 2021 - 17h17

Do Advertsing Age

O Google está banindo anúncios que promovem a negação da mudança climática em um novo ajuste global de suas políticas de monetização.

A atualização, feita na quinta-feira, 7, afetará os criadores do YouTube, anunciantes do Google e editores online.

A mudança de regra é a mais recente de uma série de movimentos que restringem a exibição de anúncios violadores no YouTube, nos resultados de pesquisa e no resto da Internet. O Google não permitirá um anúncio que “contradiga o consenso científico bem estabelecido sobre a existência e as causas das mudanças climáticas”, anunciou a empresa.

Em julho, o Google implementou uma nova política de “greves” que proíbe os anunciantes por promoverem repetidamente comportamento desonesto e produtos perigosos (Créditos: Divulgação)

“Os anunciantes simplesmente não querem que seus anúncios apareçam próximos a este conteúdo”, afirma o anúncio do Google. “E os editores e criadores não querem que anúncios promovendo essas afirmações apareçam em suas páginas ou vídeos”, destacou a empresa.

O Google tem tentado limpar seu vasto ecossistema de anúncios na internet para milhões de sites, incluindo o seu próprio. A companhia elaborou proibições semelhantes à desinformação na publicidade, especialmente durante a pandemia, quando tentou bloquear anúncios antivacinas e outros que promoviam alegações médicas incertas.

Nesse caso, o Google está indo atrás da negação das mudanças climáticas, que pode ser um assunto politicamente sensível. A empresa disse ter consultado organizações ambientais reconhecidas mundialmente para determinar os contornos da política. A companhia está “diferenciando entre o conteúdo que afirma uma afirmação falsa como fato e o conteúdo que relata ou discute essa afirmação”, diz o comunicado. “Também continuaremos a permitir anúncios e monetização em outros tópicos relacionados ao clima, incluindo debates públicos sobre políticas climáticas, os impactos variáveis das mudanças climáticas, novas pesquisas e muito mais.”

O anúncio ocorre quando o mundo do marketing está reunido em Orlando para a conferência da Association of National Advertisers, que também está sendo transmitida online para participantes virtuais. As principais marcas presentes estão enfatizando seu compromisso com as causas sociais e seu “propósito” corporativo. Luis Di Como, vice-presidente executivo de mídia global da Unilever, apoiou as novas políticas ambientais do Google no anúncio, dizendo: “Acreditamos que qualquer conteúdo que vise deliberadamente enganar e desinformar o público sobre as mudanças climáticas não tem lugar nas plataformas de mídia”.

O Google anunciou que está trabalhando com a Conscious Advertising Network, um grupo da indústria de tecnologia de publicidade, que tem a missão de limpar a mídia programática. Historicamente, o ecossistema de anúncios digitais foi degradado por sites de baixa qualidade inundados de desinformação, com poucos controles para as marcas gerenciarem onde seus anúncios acabam.

Em julho, o Google implementou uma nova política de “greves” que proíbe os anunciantes por promoverem repetidamente comportamento desonesto e produtos perigosos.

Publicidade

Compartilhe

Veja também