Fundo Afrolever, da Unilever, completa um ano e apresenta resultados

Buscar

Fundo Afrolever, da Unilever, completa um ano e apresenta resultados

Buscar
Publicidade

Marketing

Fundo Afrolever, da Unilever, completa um ano e apresenta resultados

Marca Seda lidera o movimento da companhia com metas de contratação alcançadas


29 de outubro de 2022 - 12h16

O Fundo Afrolever, ação da Unilever que recebeu um aporte inicial de 17 milhões de reais para impulsionar ações de raça, completa um ano no mês de outubro. Como resultado, a companhia divulgou que a marca Seda alcançou 51% de representatividade de pessoas negras nas comunicações e possui agora, 56% do time de comunicação digital composto por pessoas negras.

 

(Crédito: iStock)

“Neste primeiro ano de atuação do Fundo, Seda já estava com estruturas pré-desenvolvidas para colocar em prática ações que trariam estes resultados já dentro da dinâmica do Fundo. Inclusive, é uma marca que já conversa com este público há muitos anos, com o propósito de fortalecer o potencial ilimitado de cada menina”, comenta Luana Suzina, gerente de Equidade, Diversidade e Inclusão da Unilever Brasil.

Além dos avanços do pilar Marcas, Luana comenta que a companhia alcançanou também resultados no pilar Talentos. Onde promoveu 15% de pessoas funcionárias negras para posições de gerência dentre os participantes do programa Prontidão, de de mentoria e coaching. E reforça, que deste percentual, 70% são mulheres, garantindo a interseccionalidade.

“O Prontidão foi o responsável por esse alcance, ele trabalha com ferramentas e recursos para a aceleração de competências técnicas, emocionais e comportamentais dos profissionais negros. Desde 2020 o programa ajudou a dobrar a representatividade em cargos de liderança dentro da Unilever e o segundo ciclo do Prontidão começará no início do ano que vem com aproximadamente 50 pessoas funcionárias pretas e pardas”, revela.

Neste mês, a marca anunciou também a criação do Prontidão Junior, programa desenvolvido para a progressão de carreira da média liderança e que seguirá a estrutura do Prontidão, com ferramentas para a aceleração de competências. O primeiro ciclo terá duração de um ano e a previsão é alcançar cerca de 50 analistas pretos e pardos da companhia.

Foco em educação

Além das movimentações internas, a Unilever atuou por meio programa desenvolvido com o Plano de Menina e o ID_BR, mentorou 3.500 meninas negras por todo país, focando em ampliar o acesso a conhecimentos, ferramentas e recursos para aumentar as possibilidades de realizarem seus sonhos.

“É nisso que acreditamos, em fazer as coisas juntos. Para realmente gerar mudanças, acreditamos que o trabalho deve ser coletivo, criando uma sociedade mais inclusiva. Para isso, o apoio e o direcional de parceiros com experiência no tema se mostrou essencial. As parcerias trazem força para o movimento e formam uma rede de apoio para os projetos se desenvolverem e ajudarem realmente quem precisa”, diz Luana.

Os desafios da inclusão

A criação do Fundo Afrolever surgiu do desejo do presidente da Unilever Brasil, Gerardo Rozanski, para organizar e dar ainda mais celeridade às iniciativas de inclusão racial da organização. Luana afirma que ter pressa é uma das particularidades da questão, pois o tema é urgente, mas é preciso estar atento para que o movimento não perca profundidade por causa disso.

A executiva comenta que para a companhia o mais importante era ter uma agenda de inclusão racial estruturada e que criasse verdadeiras oportunidades. E para isso, entenderam a necessidade de escutar os funcionários e suas necessidades, mas ao mesmo tempo que acreditavam ser um caminho, era também um desafio.

“Entender plenamente as necessidades e o como desenvolver projetos precisos não foi uma tarefa fácil, além de sabermos que ter força para avançar com um projeto dessa magnitude, com 4 pilares que trabalham com objetivos para dentro e para fora da companhia e muitos colaboradores envolvidos seria uma tarefa complicada para sustentar. Esse um ano do Fundo Afrolever foi uma caminhada e como qualquer outro projeto estávamos dispostos a todos os erros e acertos e sabíamos que seria um desafio e iriamos aprender com o projeto acontecendo”, reflete.

Inclusão na indústria de beleza

A movimentação por uma efetiva e maior inclusão racial não é exclusividade da Unilever. A P&G, concorrente da marca, também vem investido em projetos no mesmo sentido, como o Racial 360. Além de organizações de compromissos para melhor planejamento e aplicação de medidas. como o Mover, grupo que reúne mais de 40 empresas que se comprometeram a ampliar o número de líderes negros nas empresas.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Cade aprova a compra do Playcenter pela Cacau Show

    Cade aprova a compra do Playcenter pela Cacau Show

    Rede de chocolates adquiriu a empresa de entretenimento com o foco de ingressar no setor de experiências

  • Vult entra no segmento de produtos para cabelos

    Vult entra no segmento de produtos para cabelos

    Marca de beleza amplia atuação, colocando no mercado mais de 50 diferentes produtos para contemplar a diversidade brasileira