Por quanto tempo os líderes de marketing permanecem no cargo?

Buscar

Por quanto tempo os líderes de marketing permanecem no cargo?

Buscar
Publicidade

Marketing

Por quanto tempo os líderes de marketing permanecem no cargo?

Relatório da empresa de recrutamento Spencer Stuart aponta que a rotatividade dos CMOs permaneceu estável no ano passado em relação a 2022


18 de abril de 2024 - 7h45

CMO cargo

(Crédito: Adobe Stock)

Com informações do Ad Age

Após anos de debate sobre a alta rotatividade no setor de marketing, uma nova pesquisa feita pela empresa de recrutamento Spencer Stuart, nos Estados Unidos, sugere que o tempo de permanência no cargo tem ficado mais estável.

A média do mandato de um chief marketing officer (CMO), considerando as 500 maiores empresas listadas pela Fortune, foi de 4,2 anos em 2023. O resultado repete a média de 2022, de acordo com o histórico do relatório.

Além das empresas listadas pela Fortune, o relatório analisou o ranking dos 100 maiores anunciantes dos Estados Unidos, elaborado anualmente pelo Ad Age.

Embora o mandato dos CMOs tenha sido de 4,2 anos no ano passado – abaixo dos 4,6 anos de média de outros C-levels – a permanência no cargo é maior entre os CMOs de empresas B2B do que de empresas B2C (de produtos e serviços comercializados diretamente aos consumidores.

O relatório da Spencer Stuart apontou que a média de permanência no posto de CMO de uma empresa B2B é de 4,5 anos, enquanto as empresas B2C mantém o mesmo CMO, em média, por 4 anos.

Quando a análise é feita apenas com a lista dos 100 maiores anunciantes dos Estados Unidos, a média de permanência no cargo cai de forma considerável, ficando em 3,1 anos. “Continuamos vendo CMOs assumirem mais responsabilidades em suas funções e, quando mudam de empresa, eles geralmente vão para posições maiores e melhores”, declarou o relatório.

Mulheres CMOs

A pesquisa também constatou que o número de mulheres em posições de CMOs está aumentando. Em 2023, as mulheres alcançaram paridade entre os CMOs das grandes companhias (50%).

O resultado é superior ao da pesquisa de 2022, que apontava que 47% dos CMOs das grandes empresas eram mulheres.

Porém, ao mesmo tempo em que as mulheres alcançam paridade, o percentual de líderes de marketing com diversidade racial caiu para 12% no ano passado (em 2022, eram 14%).

Ainda, os anunciantes continuam desenvolvendo e promovendo talentos internos, uma tendência ainda mais acentuada para marcas de bens de consumo. A Spencer Stuart apontou que, em 2023, 58% dos CMOs das empresas da Fortune foram promovidos em suas próprias empresas, um aumento de 54% em comparação com 2022.

As empresas B2B são mais dispostas a promover profissionais de marketing do que as B2Cs, de acordo com o estudo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Casa Dexco vai ser megastore para arquitetos em São Paulo

    Casa Dexco vai ser megastore para arquitetos em São Paulo

    A Dexco vai reunir, além das marcas do grupo, parceiras do segmento no espaço de exposição, vendas e experiências na avenida Paulista

  • CMOs são profissionais mais procurados pelas bets no Brasil

    CMOs são profissionais mais procurados pelas bets no Brasil

    Após regulamentação das casas de apostas no País, empresas buscam lideranças estratégicas no mercado local, apontam dados da Michael Paige