As pretensões do Santander no mercado imobiliário com Apê11

Buscar

As pretensões do Santander no mercado imobiliário com Apê11

Buscar
Publicidade

Marketing

As pretensões do Santander no mercado imobiliário com Apê11

Um ano depois de adquirir a startup Apê11, banco reformula marca para ganhar espaço na área de compra e venda de imóveis


27 de setembro de 2022 - 10h23

Há um ano, o Santander adquiriu o marketplaces de imóveis Apê11, plataforma em que vendedores podem cadastrar seus imóveis para serem vistos diretamente por potenciais compradores. A ideia da companhia, com a movimentação, era atuar no segmento de financiamento de imóveis, ampliando suas frentes de atuação.

Apê11 faz ação de marketing no Parque Villa-Lobos, em São Paulo

Ação da marca instalou portas no Parque Villa-Lobos, em São Paulo, para que o público conhecesse a plataforma (Crédito: Divulgação)

Um ano depois da negociação, o Santander procura colocar o Apê11 em uma nova era de comunicação com o público, com a renovação da identidade visual e ações pelas ruas da cidade de São Paulo para ajudar a ampliar o conhecimento da marca, em um primeiro momento, e, posteriormente, ampliar a geração de negócios.

“A negociação faz parte da estratégia do banco para ampliar seus negócios imobiliários e oferecer ao mercado um ecossistema completo em uma única plataforma”, explica Sandro Gamba, diretor de negócios imobiliários do Santander. O executivo diz que a plataforma Apê11 permite à companhia acelerar o desenvolvimento de soluções integradas para todos os stakeholders do mercado imobiliária.

Novo posicionamento do Apê11

Neste mês, a empresa apresentou a nova identidade visual do Apê11, na cor vermelha, que visa transmitir energia e entusiasmo, além de ser a cor do próprio Santander. De acordo com Leonardo Azevedo, CEO da Apê11, as mudanças feitas na identidade visual têm como intuito sinalizar o início de uma nova era da marca.

“Estamos com uma cara mais moderna e versátil, almejamos ainda oferecer mais amparo ao público paulistano em suas necessidades de moradia e investimento, com simplicidade e facilidade”, diz o CEO.

Junto à reformulação da marca, a empresa também fez uma intervenção urbana em São Paulo. Foram instaladas onze portas no Parque Villa-Lobos, que conduziam a espaços onde as pessoas pudessem tirar fotos. A ideia era, justamente, ampliar o conhecimento do público sobre a Apê11. De acordo com Azevedo, a ação conseguiu alcançar 3,3 milhões de contas, mais do que dobrando o engajamento da startup. Mais de 50 mil pessoas interagiram com as portas no local, segundo a empresa.

Cenário competitivo

Para se diferenciar e construir uma marca em um cenário em que outras empresas já atuam, a startup diz que procura aliar a credibilidade e força financeira do Santander à base tecnológica e de inovação da empresa. O CEO da startup diz que, de forma tangível, estão construindo ofertas de transações de compra que são diferenciadas no mercado.

“Por exemplo, nesse mês de setembro, iniciamos o Chance Única, uma plataforma digital de imóveis descontados, com documentação verificada, e com total transparência. Outras inovações vêm na sequência”, promete.

Pelo fato de o mercado imobiliário ser muito influenciado pelos ciclos econômicos, o Apê11 acredita que a inovação acaba sendo a principal força motriz para marcas que queiram se destacar em um segmento que ainda é muito tradicional, local e pulverizado. A empresa vê oportunidade de usar a tecnologia para desenvolver mais negócios em rede, digitalizando a jornada de compra dos consumidores.

De São Paulo a outras cidades

Neste momento, o foco de atuação da Apê11 é a cidade de São Paulo, o maior mercado imobiliário do País. “É importante aumentarmos a densidade da nossa oferta na cidade e sermos reconhecidos como a empresa de referência para negócios imobiliários em São Paulo”, conta o CEO.

Progressivamente, a partir de 2023, o Apê11 irá avaliar as estratégias para a ampliação da presença geográfica em outros locais.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • O que a compra da Jequiti poderia representar para a Cimed?

    O que a compra da Jequiti poderia representar para a Cimed?

    Farmacêutica estaria em negociação para comprar a empresa de cosméticos e perfumes do grupo Silvio Santos; ambas não comentam o assunto

  • Trabalho: 4 em cada 10 profissionais LGBT+ já sofreram discriminação

    Trabalho: 4 em cada 10 profissionais LGBT+ já sofreram discriminação

    Dado faz parte de levantamento feito para a iO Diversidade pelo Instituto Locomotiva e QuestionPro