DE 26 A 29 DE FEVEREIRO DE 2024 I BARCELONA – ESP

Opinião

MWC 2024: Ameaças cibernéticas na Era 5G

Os desafios que operadoras e empresas enfrentam com a cibersegurança


26 de fevereiro de 2024 - 17h16

A trajetória da evolução das redes móveis ao longo das últimas três décadas é marcada por inovação contínua e transformação. Desde a introdução da internet móvel com a tecnologia 2G no início dos anos 90, que trouxe os primeiros celulares capazes de enviar mensagens de texto, até os dias de hoje, em que os dispositivos móveis se tornaram aparelhos indispensáveis integrados ao cotidiano das pessoas, a evolução é notável.

Trinta anos após o advento das redes móveis, à medida que o mundo adota a quinta geração de tecnologia, a expectativa em relação às capacidades de internet de alta velocidade do 5G em dispositivos móveis é tangível. As pessoas aguardam ansiosamente o impacto transformador que isso trará para suas vidas diárias e como as empresas aproveitarão seu potencial.

O 5G representa mais do que apenas uma melhoria na conectividade; é uma mudança de paradigma à medida que as organizações ampliam suas opções de conexão para habilitar novas capacidades. Ele se destaca como uma tecnologia indispensável que impulsiona a transformação digital de setores industriais e sustenta economias inteiras. No entanto, todo avanço tecnológico traz consigo novos desafios, proporcionando terreno fértil para os cibercriminosos explorarem vulnerabilidades ainda não detectadas.

Diferentemente das gerações anteriores, nas quais as medidas de segurança frequentemente eram reativas e limitadas a camadas ou interfaces específicas, a era do 5G demanda uma abordagem proativa e abrangente. A natureza interconectada dos aplicativos críticos no 5G requer uma conectividade confiável e segura. Proteger as implantações do 5G exige um quadro de segurança holístico que examina minuciosamente cada camada da superfície de ataque, mitigando riscos em cada etapa.

Nesta busca pela segurança no 5G, operadoras e empresas se deparam com desafios únicos. As operadoras de rede móvel, adaptando-se a transição para computação em nuvem e de borda, enfrentam um cenário complexo de infraestruturas envolvendo múltiplos fornecedores e plataformas de nuvem. Enquanto isso, empresas que estão investindo em redes 5G para melhorar sua produtividade e eficiência precisam lidar com os riscos de segurança aumentados pela crescente quantidade de dispositivos e dados em circulação.

As operadoras de rede móvel estão enfrentando uma nova onda de incidentes baseados em malware que representam uma ameaça à disponibilidade da rede e à confidencialidade dos assinantes. Essas ameaças em expansão e as vulnerabilidades associadas, anteriormente concentradas nas interfaces de interconexão da internet, agora se expandem para explorar a camada de aplicativos em outras interfaces de rede móvel. Isso compromete diretamente a experiência do cliente e afeta as receitas das operadoras.

Além disso, as empresas que investem em redes 5G para fornecer conectividade empresarial estão enfrentando riscos consideráveis de segurança em um ambiente moderno de IoT móvel. A abundância de dispositivos e dados cria alvos atrativos para ciberataques, com a espionagem cibernética representando uma ameaça significativa para empresas que prestam serviços críticos. Esses ataques visam obter acesso aos sistemas de controle, sendo conduzidos por Estados que realizam campanhas de spear-phishing, ataques cibernéticos altamente personalizados mirando alvos selecionados, para acessar informações empresariais sensíveis, estabelecendo operações de mineração de criptomoedas ou lançando ataques de ransomware.

Ao embarcarmos nesta nova era de conectividade, uma verdade se destaca: a cibersegurança desempenhará um papel fundamental na definição do futuro do 5G. Estabelecer uma postura de segurança robusta, com uma visão detalhada do tráfego 5G, e a aplicação automatizada de medidas de segurança em tempo real nos níveis de assinante e dispositivo, são essenciais para combater as ameaças cibernéticas. Ao adotar uma abordagem Zero Trust e implementar medidas de segurança de nível empresarial, as organizações podem fortalecer suas redes, garantindo a integração perfeita das tecnologias 5G em nosso mundo cada vez mais interconectado.

Ainda que muitos países estejam no processo de estabelecer suas infraestruturas 5G, a evolução das redes móveis avança rapidamente em direção ao futuro da nova geração da Internet. Com o desenvolvimento esperado ainda nesta década, o 6G já está sendo testado pela China Mobile, que lançou o primeiro satélite com essa tecnologia no início deste mês. Além de melhorias em velocidade e redução da latência, o 6G também integrará inteligência artificial para auxiliar na perda de pacotes e otimização do consumo de energia, resultando em dispositivos ainda mais eficientes. No entanto, a discussão das implicações de cibersegurança do 6G se desdobrará nos próximos anos.

Publicidade

Compartilhe