O segredo das marcas mais valiosas do mundo

Buscar

O segredo das marcas mais valiosas do mundo

Buscar
Publicidade

Opinião

O segredo das marcas mais valiosas do mundo

Analisando o Best Global Brands, com as 100 marcas mais valiosas do mundo, fica cada vez mais claro que temos duas ligas competindo ali


11 de novembro de 2022 - 8h00

(Crédito: Shutterstock)

Cada vez que vemos um novo ranking de marcas saindo do forno a mesma pergunta vem na cabeça: o que será que a marca X fez para crescer tanto assim?

Pois é, estamos vivendo uma recessão global, tentando dar fim a um longo processo de pandemia, crises políticas cada vez mais polarizadas, ameaças de guerras por todos os lados e mesmo assim os negócios vêm crescendo e prosperando como nunca.

Hoje, já vivemos em uma era em que os consumidores confiam mais em marcas do que em governos, grupos de mídia e até muitas ONGs. Isto significa que são as marcas que constroem as grandes narrativas em nossas vidas. São elas que têm o maior poder para influenciar nossos hábitos e nos ajudar a superar os obstáculos que estão a nossa frente.

Analisando o Best Global Brands, com as 100 marcas mais valiosas do mundo, fica cada vez mais claro que temos duas ligas competindo ali.

Temos o grupo das 10 marcas mais valiosas do mundo, que juntas somam quase US$1.7 bilhões em valor de marca e que não demonstra nenhum sinal de desaceleração. E, em seguida, temos as outras 90 marcas do ranking, que somadas atingem US$1.4 bilhões. Ou seja, as 10 primeiras valem mais do que todas as outras 90 juntas!

Mas, o que explica tanto sucesso? Obviamente não se trata de um único ponto, mas fica claro que as marcas desta liga TOP 10 fazem mais do que oferecer produtos, serviços e experiências excepcionais. Eles tomam partido nos debates mais críticos de nossos tempos, desde a promessa da Apple à privacidade, passando pelas posições da Nike sobre inclusão, até a proteção aberta de muitas empresas sobre os direitos de seus funcionários.

O fato novo é que estamos vivendo em um mundo cada vez mais conectado e tentar se esquivar das controvérsias e focar apenas naquilo que você “vende” não é mais o suficiente. Tempos assim exigem movimentos ousados e não silêncios temerosos.

O Best Global Brands 2022 teve um crescimento de 16% em seu valor total comparado ao BGB21, tendo superado pela primeira vez a casa de US$3 trilhões. Sim, US$3.088.930.000.000 para ser mais exato! Para você ter uma ideia, de acordo com o Banco Mundial, o PIB do Brasil, hoje considerada a 9ª maior economia do mundo, está na casa de US$1,8 trilhão. Na verdade, se o BGB22 fosse o PIB de um país, ele estaria entre a Alemanha e o Reino Unido, ocupando o lugar de 5º maior economia do mundo.

Este forte crescimento, mesmo em um ano de crise global é um claro reflexo do papel cada vez mais proeminente que as marcas exercem como as grandes influenciadoras de nosso tempo.

Os maiores crescimentos deste ano ficaram com a Microsoft [US$278.288 bilhões], Tesla [US$48.002 bilhões] e Chanel [US$29.259 bilhões] com impressionantes 32% de crescimento em relação ao ano anterior.

Na corrida do Top 5 das marcas mais valiosas do mundo a “briga” pelo 2º lugar nunca esteve tão acirrada: a incrível performance da Microsoft a coloca a frente da Amazon [+10% :: US$274.818 bilhões], que agora ocupa o 3º lugar, trazendo logo atras, na 4ª posição, do ranking o Google [+17% :: US$251.715 bilhões].

A Apple [+17% :: US$87.689 bilhões] continua em primeiríssimo lugar no ranking, que tem fechando o top 5 a Samsung [+16% :: US$482.215 bilhões] na quinta posição, e que deixam claro o quanto tecnologia aliada a um forte investimento em construção de marca tem ajudado essas empresas a figurarem no topo.

Estreando nesse seleto grupo de marcas, temos agora o Airbnb [US$13.416m] na 54ª posição, a RedBull [US$11.647m] na 64ª e a Chinesa Xiomi [US$13.416m] na 84ª.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Marcas fofoqueiras

    O consumidor deixa rastros de seus gostos (ou não) o tempo todo, resta às empresas saberem como lidar com isso

  • Liderar (e ser liderado) em tempos ambíguos

    Planilha de empresas tóxicas, inspirada na congênere de agências, reflete o desafio atual dos ambientes corporativos em meio à pressão por resultados e busca de significado