Publicidade x obesidade

Buscar
Publicidade

Sem categoria

Publicidade x obesidade


31 de maio de 2011 - 3h45

Entre projetos de lei, decisões da administração federal e a pressão de entidades, a publicidade acabou por ficar na linha de fogo de um movimento global que visa combater a epidemia de obesidade que atinge crianças e adolescentes do mundo todo. Nesse debate, há quem defenda o banimento completo da propaganda de alimentos e bebidas destinados a esse público.

No Brasil, desde o começo do ano está em vigor uma norma da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a RDC 24/2010, que, entre outras medidas, determina a veiculação de alertas sobre os perigos do consumo excessivo para produtos com uma determinada quantidade de açúcar. Fabricantes, anunciantes, agências e veículos que não cumprirem as exigências, diz a Anvisa, estão sujeitos a sanções que incluem multa de R$ 1,5 milhão. Até o momento são nove as entidades amparadas com liminares contra a norma – uma delas é a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos (Abia). A Anvisa está recorrendo.

Além disso, tramitam no Congresso projetos de lei que colocam a comunicação de alimentos e bebidas em xeque. Neste mês, um desses PLs, o 5.921/2001, foi mais uma vez debatido. Acredita-se que o projeto de lei deverá ter uma definição até o fim do ano.

Nos EUA, quatro agências federais divulgaram recentemente diretrizes para nortear um debate público sobre regras para a indústria de alimentos e bebidas. Elas podem permitir apenas anúncios de alimentos considerados saudáveis e ampliar a restrição de publicidade para jovens até 17 anos.

Para aprofundar o debate, Meio & Mensagem procurou profissionais ou dirigentes dos segmentos envolvidos para saber se há real impacto da publicidade sobre a obesidade e se é possível buscar soluções ao permitir o diálogo entre todos.

wraps

Anunciante

“Fora do Brasil, já temos um cardápio mais voltado ao público infantil. As ações de divulgação e responsabilidade social com crianças que planejamos para os próximos anos no País preveem inclusive participações em escolas, a fim de incentivar a atividade física. Temos ações para nos prepararmos para a Copa de 2014: não queremos dar brinquedinhos. Não é esse nosso foco, mas, sim, falar da inclusão do esporte na rotina das crianças. Nos EUA, fazemos um trabalho bastante significativo com basquete e futebol americano. Sobre a obesidade infantil, o que ocorre no Brasil é uma tendência de avanço dos alimentos processados. Hoje, uma criança de sete ou oito anos já tem doses extras de açúcar e sucos com conservantes na dieta. O sedentarismo e os maus hábitos alimentares com certeza acabam invadindo nossa rotina. E as crianças já não praticam tanto esporte como nas gerações anteriores. No Subway, nossas campanhas — mais abrangentes, também alcançando o público infantil — fazem com que as crianças acabem ingerindo os vegetais que oferecemos, que são oito no total. A publicidade entra na esteira disso se ela promover redes de restaurantes que oferecem frituras, alimentos processados etc. As crianças acabam ingerindo refeições com mais de 500 calorias.”
 

wraps

Medicina

"A publicidade tem impacto sobre o consumo alimentar. Há estudos que mostram que, contadas as calorias, o que se anuncia, a cada hora, para o público infantil, é o triplo do anunciado para adultos. Mas o ideal para combater a epidemia é chegar a uma solução via consenso, com diálogo. Temos visto, principalmente nos EUA, iniciativas que ajudam a enfrentar o problema. É o caso da Coca-Cola, que fechou acordo para não ter vending machines em escolas. Esse é um caminho viável. Brasil, EUA, Rússia e China são os que têm o maior crescimento da obesidade infantil. Precisamos ter consciência do nível de complexidade que envolve a epidemia. Um grupo de especialistas no Reino Unido fez uma analogia: o grau de dificuldade para enfrentar esse problema é o mesmo do aquecimento global. É preciso envolver governo federal, entidades, empresas e ir até o indivíduo. Não se pode olhar para o tema de modo isolado. A publicidade pode ser aliada. Não pensamos no fim da propaganda para esse público. Crianças respondem ao ambiente. A medicina desistiu de tentar mudar a cabeça delas. Tratamento tem de ser do ambiente. É importante despertamos esse nível de consciência para não gerarmos consumo exagerado. A promoção da atividade física também é essencial. Tudo ajuda.” 

wraps

Agência

"Tudo que é legalmente produzido e tem salvo-conduto para ser vendido sem prescrição médica ou coisa que o valha, em princípio, não é prejudicial à saúde. Portanto, tem o direito de ser anunciado. Qual seria a lógica para restringir a comunicação de alimentos e bebidas? Até onde sei, a obesidade é resultante dos excessos e pode ser causada pela ingestão exagerada de feijão, arroz, batata… qualquer alimento. Conclusões fáceis costumam ser perigosas, porque evitam questionamentos profundos. Muito fácil, por exemplo, é achar que a propaganda é a culpada de tudo. Atacar a propaganda pega bem, rende notícia, gera votos. Nós, publicitários, estamos simplesmente exercendo a função de comunicar a existência dos produtos que o governo julga bons o bastante para estar nas prateleiras. Fazer uma campanha que alerte sobre os prejuízos causados pelos exageros alimentares, isso sim, tem lógica. Proibir ou restringir a comunicação é atitude simplista de quem se acha no direito de tutelar a vontade do povo. Propaganda não faz nada, apenas conta o que está sendo feito. Propaganda não obriga ninguém a comprar, apenas coloca as opções diante do consumidor. O mais recomendável é reunir as partes interessadas em torno de uma mesa e discutir o assunto como gente grande."

wraps

Indústria 

"A indústria de alimentos tem plena ciência da gravidade do tema e sabe que deve exercer esforços para contribuir com a construção de uma dieta alimentar mais saudável na sociedade. O consumo excessivo de nutrientes que podem oferecer riscos à saúde é muito mais reflexo dos hábitos alimentares da população do que da composição dos produtos. A adoção de uma dieta mais equilibrada ocorre por meio da implementação de campanhas educativas. Nesse contexto, a contribuição que o governo vem construindo é positiva. A agenda de compromisso deve ser construída com as entidades relacionadas e a população. A Abia está envolvida em parcerias com o Ministério da Saúde, com o objetivo de aprimorar os aspectos nutricionais dos alimentos industrializados e, assim, contribuir para os hábitos saudáveis à população. Como resultados, a associação apresentou a redução de 230 mil toneladas de gordura trans dos alimentos industrializados. Em abril, assinou novo acordo com o Ministério, o qual prevê a redução do consumo de sal para menos de cinco gramas de sal por pessoa por dia até 2020. Cabe salientar que a educação do consumidor será fundamental para o alcance dessa meta de consumo de sal/dia, considerando os hábitos alimentares da população."

 

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Masp vai hastear bandeira LGBT+ durante a Parada de São Paulo

    Masp vai hastear bandeira LGBT+ durante a Parada de São Paulo

    Iniciativa inédita foi idealizada pelo Castro Festival e viabilizada pela marca Amstel

  • Swarovski une regiões Brac e Meca e cria estrutura Latam

    Swarovski une regiões Brac e Meca e cria estrutura Latam

    Carla Assumpção assume liderança na América Latina que ganha destaque no mercado global da marca de cristais