O poder do feedback no desenvolvimento da carreira 

Buscar
Publicidade

Women to Watch

O poder do feedback no desenvolvimento da carreira 

Entenda como uma avaliação de desempenho, positiva ou negativa, pode inspirar e potencializar pessoas por meio das palavras 


10 de outubro de 2023 - 6h06

O mais importante ao fornecer um feedback, seja positivo ou negativo, é trazer concretude, pontua a especialista, pontua Dani Verdugo, consultora especialista em recursos humanos (Crédito: Nuthawut/Adobe Stock)

“Bons diálogos encurtam distâncias”, diz Nathália Brandão, que hoje é Head de Client Success no TikTok Brasil e destaque da lista Forbes Under 30 de 2022. O sucesso ainda jovem foi impulsionado por um conselho que recebeu na época em que era trainee: um feedback que mudou completamente sua visão sobre carreira. Como muitos que estão no início de vida profissional, Nathália tinha um perfil de executora. Não havia problema que ela não resolvesse.  

Uma liderança, porém, um dia lhe contou sobre a importância do pensamento sistêmico. “Você precisa entender a estratégia macro da empresa, e dentro desta estratégia, saber o seu papel”, ela ouviu. Isso foi um divisor de águas para a jovem profissional. “Quando você sabe o seu porquê de estar ali, o seu papel numa agenda macro de um negócio, isso gera um senso de responsabilidade e melhora a tomada de decisões”, reflete Nathália. “O bom feedback tem esse papel: de ajustar a rota, apontar a direção, revelar as regras não ditas do jogo corporativo, moldar o efeito dos seus atos inconscientes e te provocar a olhar o trabalho a partir de novos ângulos”.

Dani Verdugo, consultora especialista em recursos humanos, complementa: “O feedback é como combustível para o desenvolvimento pessoal e profissional. Ele não somente melhora o desempenho profissional, mas se bem colocado, pode impulsionar carreiras ao próximo nível. Entretanto, o contrário também é verdadeiro. Feedbacks vagos, desrespeitosos ou mesmo a falta dele podem ter impactos perversos para a performance, a autoestima e até para o relacionamento a longo prazo”.

Como classificar um feedback

Enquanto era gerente, Dani ouviu de uma líder que se ela quisesse ser respeitada, precisava se vestir como uma gerente. “Aquilo me deixou confusa e insegura, levando-me a sentir que eu estava sempre inadequada na minha aparência. Isso afetou muito a minha autoestima e me causou preocupações desnecessárias sobre as roupas que eu usava em situações de trabalho”, conta. 

Hoje, com mais experiência, ela entende que o comentário da sua diretora foi infeliz e mal direcionado. “Um feedback não é eficaz se não for entregue com respeito e cuidado. Não importa quão negativo seja, a pessoa que está transmitindo deve ser respeitosa com o receptor”, destaca. 

O mais importante ao fornecer um feedback, seja positivo ou negativo, é trazer concretude, pontua a especialista. Ou seja, ele precisa ser claro e trazer exemplos para que a pessoa que o recebe possa realmente entender o que precisa ser melhorado. Um feedback é bem elaborado quando fornecido de maneira estruturada, respeitosa e concreta. E os benefícios são diversos: ele pode acelerar a carreira, encurtar o caminho para o sucesso, aumentar desempenho, ajudar a corrigir deficiências, abandonar comportamentos problemáticos ou ainda incentivar que a pessoa busque por formações técnicas específicas que ainda não tem. “O poder e a eficácia do feedback bem dado e bem recebido são indiscutíveis”, afirma Dani Verdugo. 

Além disso, a consultora ainda destaca que a liderança deve sempre se mostrar disponível e aberta para apoiar o desenvolvimento dos seus liderados. “Em resumo, a qualidade do feedback está diretamente ligada ao respeito e à clareza da mensagem transmitida”, pontua.

Cultura de portas abertas

A troca de conselhos, seja de gestor para colaborador ou até mesmo o inverso, precisa ser cultivada e só floresce em ambientes de trabalho com segurança psicológica. Somente esse cenário permite que funcionários tenham confiança para se expressarem e para se sentirem à vontade para pedir e dar feedbacks. 

“Mudar essa cultura não acontece da noite para o dia. A empresa precisa implementar essa mudança de contexto, envolvendo as lideranças na abordagem e promovendo momentos de feedback de forma regular, em vez de esperar por avaliações anuais ou semestrais”, destaca Dani. 

Tudo começa quando existe uma estrutura, um ritual para a análise da atuação dos colaboradores. É o que a área de recursos humanos chama de “feedback sanduíche”. Ele funciona como um resumo de desempenho, que destrincha todos os feedbacks e avaliações, positivos e negativos, que o profissional recebeu ao longo daquele período. Além disso, ele também inclui um plano de ação para fortalecer as áreas de sucesso ou reduzir deficiências. 

Apesar das avaliações de desempenho serem momentos importantes para essa troca, Dani ressalta o valor do instantâneo. “O feedback pode acontecer a qualquer momento, e eu acredito muito no poder do feedback imediato, quando a situação está fresca na memória”, revela. Entretanto, ainda é preciso fazer uma leitura do contexto para evitar dar respostas numa situação imprópria ou sensível, como na frente de todos quando o feedback for negativo, por exemplo.

Um conselho para a vida

A consultora lembra quando trabalhava numa empresa multinacional e recebeu um feedback que mudou sua forma de se comunicar. “Um diretor americano em uma empresa de prestação de serviços de RH me falou que eu tinha um problema de comunicação, especialmente ao lidar com stakeholders externos. Eu era muito prolixa. Em resposta, ele me ensinou o poder de síntese. Isso melhorou muito minha capacidade de me comunicar de forma mais eficaz”, recorda. 

Não subestime o poder revolucionário que um feedback humanizado pode ter. Sandra Roza, especialista em comunicação corporativa e gestão de pessoas, apenas teve confiança para mudar a rota de sua carreira quando ouviu de uma liderança que ela precisava repensar o que realmente queria fazer com sua vida profissional.  

“Ela me mostrou a importância de ter coragem, mesmo em momentos bons, para viver novas experiências e oportunidades”, conta Sandra. “O feedback tem um potencial muito grande para transformar as relações no trabalho, a vida e a carreira das pessoas. Assim como no meu caso, guardo com muito carinho o feedback que recebi por tudo o que ele me impulsionou a viver e a inspirar outras pessoas”, reflete. 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Lideranças de marketing das principais marcas estatais são mulheres

    Lideranças de marketing das principais marcas estatais são mulheres

    Painel do evento CenpHub Brasília reuniu lideranças do marketing de Banco do Brasil, Caixa, Correios e Petrobras e chamou atenção para predominância feminina

  • Desigualdade social é a principal preocupação dos brasileiros

    Desigualdade social é a principal preocupação dos brasileiros

    Pesquisa da Ipsos revela as percepções de diferentes países sobre temas relacionados a discriminação e equidade