>>>>1131 >>> >>>1131 >>

Conar condena 8 ações de influenciadores no YouTube

Buscar

Comunicação

Publicidade

Conar condena 8 ações de influenciadores no YouTube

Todos os casos foram denunciados pelo Ministério Público, que julgou inadequado o envolvimento de marcas com o conteúdo dos canais

Bárbara Sacchitiello
6 de junho de 2018 - 17h26

Exibição de brindes, como os do McDonald’s, e de outros artigos de marcas pelos youtubers são a razão da maior parte das reclamações do instituto (Crédito: Reprodução)

Na semana passada, o YouTube foi o assunto único na reunião do Conselho de Ética do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária). Em reunião da Câmara, o órgão julgou oito processos movidos pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, em janeiro deste ano.

A razão da reclamação de todas essas ações era a mesma: de acordo com avaliação do Ministério, a associação de marcas a conteúdos no YouTube que têm, como público-alvo, as crianças, não eram adequadas. Por se tratar da mesma reclamação, que envolvia diferentes vídeos, o relator dos casos achou que era mais produtivo avaliar todas as campanhas em uma única seção.

Não é a primeira vez que o Conar julga casos envolvendo influenciadores. Na reunião que inaugurou os trabalhos do Conselho em 2018, o órgão puniu uma ação feita pelo youtuber Felipe Neto, que oferecia aos espectadores a oportunidade de passar um dia em sua casa, via sorteio. Na ocasião – e na maior parte dos trabalhos com influenciadores que chegam ao Conar – a grande questão levantada pelo Conar é o fato de que o patrocínio da marca nem sempre ser sinalizado da maneira devida.

No caso dos influenciadores, por exemplo, é bem comum a exibição de produtos enviados por marcas sem qualquer registro de que se trata de uma ação publicitária. Em sua defesa, muitos anunciantes dizem que o ato de enviar produtos aos youtubers (que na linguagem da plataforma ganham o nome de “Recebidos”) não configura publicidade pois não houve pagamento por aquele espaço. Na interpretação do Conar, no entanto, algumas exibições de produtos e marcas contém apelo de compra e, por isso, deveriam ser sinalizadas como conteúdo publicitário.

Dessa vez, a sentença do Conar foi unânime para os oito casos julgados: alteração da peça publicitária, agradava por advertência aos anunciantes. Nesse caso, o Conar avalia a conduta da marca e não, diretamente, dos influenciadores.

Veja, abaixo, a lista das ações punidas pelo Conar (todos os vídeos foram retirados do ar nos canais):

Ri Happy Brinquedos – “Encontrinho YouTubers”
Influenciadores: Julia Silva, Marina Bombonato, Carol Santina, Felipe Calixto, Long Jump e Manoela Antelo

McDonald’s – “Presente McDonald’s”
Influenciador: Felipe Calixto

Bic Graphic – “Pré-material escolar – 2016 recebidos e acumulados”
Influenciadores: Manoela Antelo e Amanda Carvalho

Lokas Puket – “Festa do Pijama youtubers mirins”
Influenciador: Carol Santina

Pampili
Influenciadores: Julia Silva e Manoela Antelo

Turner – “Encontro com personagens do Cartoon Network”
Influenciadores: Felipe Calixto e Manoela Antelo

SBT – “Carrossel – O Filme”
Influenciadores: Julia Silva e Felipe Calixto

Foroni – “Desafio Foroni”
Influenciadores: Julia Silva, Felipe Calixto, Manoela Antelo e Amanda Carvalho

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Conar

  • Influenciadores

  • Publicidade

  • youtubers

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”