Washington Olivetto lança novo livro

Buscar
Publicidade

Comunicação

Washington Olivetto lança novo livro

Publicitário compartilha aprendizados na série ?O que a vida me ensinou?, publicada pela Saraiva


25 de maio de 2011 - 9h45

Acontece nesta quinta-feira, 26, na livraria Saraiva do Shopping Higienópolis, em São Paulo, o lançamento do livro “O que a vida me ensinou”, de Washington Olivetto.

O publicitário é a terceira personalidade a participar da série feita pela Saraiva em parceria com a Versar. Para a elaboração do livro ele contou com o jornalista Walter Falceta Jr como “provocador intelectual” e o texto foi escrito por Olivetto a partir do conteúdo transcrito de várias entrevistas feitas na agência, em uma pizzaria e até na casa de Olivetto.

Quando recebeu o convite para participar do projeto, no início de 2010, ele estava no olho de um furacão e pensou em recusar, porque simplesmente não teria tempo: estava dando início aos processos de fusão de sua agência W/Brasil com a McCann-Erickson, para formar a W/McCann, que dia 1º de maio completou um ano de operação. Só o fato de passar a fazer parte do board da McCann Worldwide, implicava em quatro viagens ao exterior por ano.

A proposta do editor Luís Colombini, no entanto, de incluir um jornalista que funcionasse como o citado “provocador intelectual”, instigando o conteúdo do livro por meio de entrevistas com o autor, associada a uma ausência da família de Olivetto, que iria no meio do ano viajar em férias ao exterior, acabaram fazendo com que ele topasse o projeto.

Também contribuiu o fato de o publicitário ter lembrado de um elogio do amigo Juca Kfouri no fim dos anos 80. Depois de dar uma entrevista a Juca para a revista Playboy bateu uma certa insegurança e ele ligou dois dias depois para perguntar ao jornalista se ele achava que tinha sido boa mesmo a conversa. E este respondeu que tinha sido ótima porque ele “falava editado”. Com isso, foi adiante no projeto atual e o livro que será lançado amanhã é resultado de no mínimo 20 horas de conversas e algumas pizzas com o jornalista Walter Falceta Jr.

“Eu tinha implicância com o título da coleção, porque parece que você está se dizendo uma pessoa pronta e eu continuo aprendendo o tempo inteiro”, ressaltou Olivetto, com a simpatia de sempre e o jeito falante que o faz brincar dizendo que deixa rouca até a pessoa que o ouve. A origem italiana de sua família e os aprendizados com avôs, pais e tios – especialmente os de ganhar a vida honestamente e comer bem – são algumas das “lições” compartilhadas com os leitores. E mesmo esse tipo de comentário está sempre associado à vida profissional que escolheu e na qual se destacou cedo. Do talento culinário da avó, por exemplo, depreende que “o fazer bem” envolve “a técnica mais os sais e açúcares do espírito”, o que tranquilamente vale para uma boa campanha ou outro tipo de trabalho.

E os assuntos seguem variados, como a boa publicidade e seus desafios, política, os esportes em geral e o Corinthians especificamente, claro, e a valorização da educação, que segundo ele não é o problema, mas a solução do Brasil. Embora defina a si mesmo como “mais aluno do aprendizado do que do diploma”, Olivetto frisa que não pretende com isso desmerecer a educação formal, mas ressaltar o que na vida dele foi e tem sido mais marcante.

Sua preocupação principal com a obra foi deixá-la “o mais despretensiosa possível” e próxima da coloquialidade das conversas. Algo mais pretensioso, destacou, já havia sido feito por Fernando Morais, que escreveu Na toca dos Leões, obra sobre Olivetto e seus sócios da W/Brasil, publicada em 2005. “Aquele foi um livro com muito mais pesquisa e, inclusive, opiniões do autor. O livro do Fernando é o livro do Fernando. Eu sou um mero tema”, disse Olivetto, emendando que ele próprio daqui a alguns anos e muitas experiências mais pretende se lançar a um projeto pessoal de maior fôlego.

O formato pequeno de “O que a vida me ensinou”, com o texto dividido em capítulos curtos e em linguagem simples (mas não simplória, em coerência com o seu amor declarado ao nosso idioma) recebe o contraponto da riqueza do conteúdo e do refinamento “sem frescuras” de Olivetto, que é um apreciador da cultura popular em suas diversas manifestações. Resumindo, é um livro de publicitário que agrada não somente a publicitários.

Clique aqui e leia os dois primeiros capítulos do livro.

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Produtora especializada em entregas de digital acaba de abrir escritório em Miami, onde deve centralizar atendimento de multinacionais

  • Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Grupo de saúde reativa as atividades da Promarket, que foi responsável pela publicidade e comunicação do grupo de 1980 até 2012