“Clientes estão retomando crescimento”, diz Roth, do IPG

Buscar

Comunicação

Publicidade

“Clientes estão retomando crescimento”, diz Roth, do IPG

Receita orgânica da holding cresce 3,6% e receita líquida tem alta de 5,9% no primeiro trimestre de 2018


27 de abril de 2018 - 17h18

Michael Roth: “base da economia está sólida é fundamental para que os clientes sigam investindo em suas marcas e na inovação do negócio” (Crédito: Divulgação)

Por Meghan Graham, do Advertising Age

O Interpublic reportou crescimento orgânico de 3,6% no primeiro trimestre de 2018. Nesta sexta-feira, 27, Michael Roth, CEO da holding, declarou que os clientes estão retornando para o “modo crescimento” e demonstrando vontade em investir nas marcas.

Os três primeiros meses deste ano foram mais expressivos em receita líquida do que os do ano passado: a companhia atingiu um montante de US$ 1,77 bilhões, que corresponde a uma alta de 5,9% em relação ao US$ 1,68 bilhão de 2017. A receita líquida orgânica cresceu 3,6% ante ao primeiro trimestre do ano anterior. Nos EUA, a receita líquida orgânica subiu 4,3% e, internacionalmente, 2,6%.

Em nota, o analista sênior Brian Wieser, da Pivotal Reasearch, disse que o resultado desse balanço financeiro superou as expectativas do próprio IPG. “Sem dúvidas, o grupo teve um desempenho significativo em relação a indústria”. Ele disse que o mercado publicitário está enfrentando desafios, como o enfraquecimento diante de grandes anunciantes, budgets dos clientes baseados em zero e crescente seguridade nos contratos em meio a preocupações de transparência em torno das relações agência-anunciante.

Roth comenta que o desempenho da holding dá sequência a um último trimestre sólido em 2017, e que, apesar das incertezas macroeconômicas, o grupo acredita que a base da economia está sólida, especialmente nos EUA, o que é “fundamental para que os clientes sigam investindo em suas marcas e na inovação do negócio”.

Ele citou as conquistas recentes da holding, como a Liberty Mutual pela agência de mídia Initiative, e a Edgewell Personal Care, pelo grupo MullenLowe. De acordo com o executivo, o ÌPG conseguiu manter a atratividade de novos negócios ao longo dos últimos 12 meses, em meio a uma ofensiva de novas concorrências. “A maior parte deles não são clientes nossos. Os vemos como oportunidades”, afirmou.

Roth disse que continuará investindo no desenvolvimento de sua base de dados e em produtos. “Isso fará com que nossas agências de mídia possam ativar os dados para fazer planejamento e compra de serviços altamente segmentados. Com o tempo, isso deve tornar-se um asset que todas nossas agências possam acionar para informar tanto a mensagem quanto os canais utilizados para conectar os clientes às audiências certas”.

Roth pareceu otimista em relação às pressões de investimento que acometem os clientes. Para ele, as marcas continuam procurando as agências para impulsionar a fidelidade.

“Minha opinião – e creio estar certo – é que para fazer uma marca crescer é preciso investir em marketing, ponto”, declarou. Em encontro com CEOs de alguns de seus principais clientes, Roth disse que o sentimento é o de que as marcas acreditam no investimento em marketing para construir marcas.

“Parece que parte do sangramento em bens de consumo e cortes estão diminuindo. Em alguns casos, cessou. E isso é uma oportunidade para nós. O tom para esses clientes é: “Temos de investir em marketing”. Por outro lado, eles querem ter certeza de que não estão jogando dinheiro fora.

Para assegurar que isso não aconteça, agências devem apresentar uma ideia criativa para ajudar a impulsionar a fidelidade da marca e apresentá-la na plataforma certa, com a alocação certa de mídia e insights, para assim mover o ponteiro dos clientes, disse Roth. “E aí que a batalha está sendo jogada agora”.

Publicidade

Compartilhe