Agências se unem para criar Observatório da Diversidade

Buscar

Comunicação

Publicidade

Agências se unem para criar Observatório da Diversidade

Após fazer pressão contra PL 504, agências criam entidade setorial para pretende acelerar inclusão da comunidade LGBTQIAP+ na publicidade

Taís Farias
28 de junho de 2021 - 6h00

Artista, comunicador e ativista Ariel Nobre está à frente do Observatório da Diversidade (Crédito: Divulgação)

Há pouco mais de dois meses, um grupo de agências, anunciantes e plataformas se unia para assegurar a representatividade de pessoas LGBTQIAP+ na comunicação e publicidade. O motivo de tal movimento foi a tramitação do Projeto de Lei 504, de autoria da deputada Marta Costa, do PSD. No texto, a autora alegava que “o uso indiscriminado deste tipo de divulgação traria real desconforto emocional a inúmeras famílias”. De acordo com a parlamentar, a lei seria necessária para evitar a “inadequada influência” da publicidade na formação de jovens e crianças.

Com a pressão por parte do mercado de comunicação, sociedade civil e de parlamentares, o plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) decidiu, em 28 de abril, que o projeto retrocedesse e voltasse às comissões onde já havia sido aprovado anteriormente. Apesar dessa vitória parcial contra a PL e a favor da diversidade na publicidade, o movimento desvelou a necessidade de um posicionamento estruturado por parte do mercado publicitário em prol do avanço da pauta.

Agora, essa demanda toma forma com a criação do Observatório da Diversidade, entidade setorial que visa unir o mercado na construção de metas e programas educativos com a missão de acelerar a inclusão da comunidade LGBTQIAP+ na publicidade nacional. Nessa segunda-feira, 28, data em que é comemorado o Dia do Orgulho LGBTQIAP+, o instituto apresenta suas agências fundadoras, que terão cadeira fixa no conselho do Observatório. São elas AKQA, CuboCC, Dentsu International Brasil, Gana, Grey, MOOC, Mutato, New Vegas, Publicis e Soko.

À frente do Observatório da Diversidade está Ariel Nobre, artista, comunicador e ativista da causa. Ele foi o idealizador do Projeto Preciso Dizer que Te Amo, campanha de valorização da vida de homens trans, e fundador do Trans Mercado, programa educacional de desenvolvimento profissional para transgêneros. “Começou com uma percepção de um incômodo coletivo”, conta o profissional sobre a criação do projeto. Para o ativista, a instituição nasce com o objetivo de somar esforços. “Entender que essa conversa precisa ser mais pública, tem que ser do mercado e não de uma agência ou de outra”, afirma Ariel.

Nas próximas semanas, as empresas fundadoras se reúnem para validar o plano de ação e, ao longo dos primeiros três meses, devem aprovar um plano de metas. Já na sua criação, o órgão apresenta três objetivos principais: incentivar a cultura e empregabilidade LGBTQIAP+ nas agências; criar um banco de dados sobre a comunidade na indústria da comunicação; e premiar as agências com melhores práticas e resultados em diversidade. Para isso, o trabalho contará com o apoio de uma consultoria especializada no tema para a definição de metas e compromissos.

Além das agências fundadoras, o Observatório da Diversidade conta com o suporte de outras agências e entidades patrocinadoras e apoiadoras. Dentre as patrocinadoras estão CP+B Brasil, IPG Mediabrands Brasil e Suno United Creators; e dentre as apoiadoras estão as agências AlmapBBDO, Africa, Artplan, B&Partners, Brunch, MediaMonks + Circus, DPZ&T, FBiz, FCB Brasil, Gut, Ogilvy, SunsetDDB, Wieden+Kennedy, VMLY&R e WMcCann. também já aderiram. O órgão tem, ainda, o apoio institucional da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap), Associação Brasileira de Anunciantes (ABA) e das consultorias Mais Diversidade e Indique uma Preta. Todas as agências que aderirem ao movimento receberão o selo de “Empresa Aliada” e terão dois anos para apresentar seus resultados.

Segundo o cronograma inicial do instituto, em dezembro deste ano, serão divulgadas as metas definidas pelas agências signatárias. No mesmo mês, o órgão premiará a melhor campanha de Pride desenvolvida pelas agências. Já em junho de 2023, será feita a certificação e premiação das agências em relação às metas. “A ideia do observatório é mais inclusiva para as agências”, explica Ariel. “Não queremos criar uma coisa punitivista”, conta o comunicador, que se inspirou em órgãos como o Observatório do Clima, rede de 37 entidades da sociedade civil brasileira formada com o objetivo de discutir as mudanças climáticas.

Publicidade

Compartilhe