Caio Barsotti deixa Cenp, que extingue presidência-executiva

Buscar

Comunicação

Publicidade

Caio Barsotti deixa Cenp, que extingue presidência-executiva

Conselho Executivo das Normas Padrão adotará novo modelo de governança, planejado em conjunto com a consultoria ToF

Bárbara Sacchitiello
19 de novembro de 2021 - 11h56

Caio Barsotti era presidente-executivo do Cenp desde 2009 (Crédito: Arthur Nobre)

Atualizada às 15h27

Em processo de criação de um novo modelo de governança, o Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp) promove uma reformulação em sua direção, extinguindo o cargo de presidente-executivo. Com isso, Caio Barsotti, que liderava a entidade desde 2009, quando sucedeu Petrônio Corrêa na função, deixa a entidade.

A mudança foi decidida em reunião realizada nessa quinta-feira, 18, com os mantenedores do Cenp. A busca por um outro modelo de governança para a entidade surgiu a partir de um trabalho de reestruturação iniciado este ano, que contou com participação da consultoria externa ToF – Traduzindo o Futuro, que tem como sócios o psicanalista e escritor Jorge Forbes e o ex-presidente do Grupo Estado, da Oracle e ex-diretor da Accenture, Silvio Genesini. Ao contratar a consultoria, no final de 2020, o Cenp tinha como objetivo guiar a reformulação do órgão de autorregulamentação.

Criado em 1998, o Cenp teve apenas dois profissionais ocupando o posto de presidente-executivo: Petrônio Corrêa, fundador da entidade, que trabalhou no processo de preparação de Barsotti para assumir a posição em 2009.

Barsotti se dedicará, nos próximos meses, a apoiar o processo de transição e reestruturação da nova liderança do Cenp, que, agora, prevê a separação entre as atividades de presidência do Conselho e presidência executiva. O novo presidente do Conselho será eleito pelos representantes das entidades dos setores do mercado e exercerá uma função pro-bono. Será contratado um novo diretor executivo, que se reportará diretamente ao presidente do Conselho.

Em seu perfil no LinkedIn, Caio Barsotti publicou um texto a respeito do encerramento de seu ciclo à frente do Cenp. “Sou grato pela confiança em mim depositada, indispensável para que houvesse condição de realizarmos um amplo trabalho em favor da publicidade brasileira e da autorregulação, tão benéfica à sociedade”, escreveu, destacando que as ações promovidas ao longo dos últimos 12 anos, período em que esteve na presidência-executiva da entidade, não têm um protagonismo, e sim foram conquistas de todos e relembrando a confiança que recebeu de Petrônio Côrrea, que o escalou para dar continuidade ao trabalho à frente do Cenp.

Barsotti destacou alguns feitos da entidade, como a criação do Cenp-Meios, que mapeia os valores da indústria de publicidade e os demais estudos elaborados em parceria com a entidade que ajudaram a mostrar a importância da esfera da comunicação para os negócios do País. “Como profissional da propaganda, onde iniciei ainda adolescente, sou muito grato por ter participado desta história, deste legado. O Cenp é também um ciclo em minha trajetória. Estou neste momento dedicado à transição e continuarei sempre à disposição da nossa entidade. Podem contar comigo”, encerrou o texto.

Processo de mudanças
A reformulação na estrutura do Cenp já havia começado no início de 2021, quando a entidade alterou seus estatutos para aumentar a presença de profissionais e representantes de anunciantes em seus comitês executivos. O movimento foi reação à saída do órgão, em janeiro deste ano, da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA). Após ter rompido com o Cenp, a ABA divulgou um documento propondo a criação de um novo fórum para discussão da autorregulação, fora do Cenp.

Segundo o Conselho Executivo das Normas-Padrão, a extinção da presidência-executiva está “nesse contexto de reestruturação estratégica, que vem sendo conduzida com o apoio da consultoria ToF, em um trabalho de vários meses de consulta entre players do mercado”. Em breve, será divulgada nova marca da entidade, também resultante do trabalho da ToF.

Publicidade

Compartilhe