“Brasil ainda não tem um case no Carnaval”

Buscar

Marketing

Publicidade

“Brasil ainda não tem um case no Carnaval”

Apesar do sucesso da festa pelo país, ainda falta um local que associe as dimensões econômica, cultural e o impacto social que o evento pode alcançar, aponta consultor

Teresa Levin
28 de fevereiro de 2020 - 6h00

Carnaval brasileiro ainda não tem um case de sucesso, aponta especialista (Crédito: Duda Mendes/Getty Images)

O Carnaval tomou os diversos cantos do País ao longo da última semana, com as mais variadas manifestações, de desfiles de escolas de samba a blocos e festas de diferentes portes. Mas se ele de fato já é um motor econômico – segundo um estudo da Fecomercio apenas em São Paulo ele movimentaria R$ 906 milhões este ano -, ainda não há um case de sucesso deste evento, que integre suas múltiplas dimensões. Quem aponta é João Figueiredo, coordenador do mestrado de Economia Criativa da Escola Superior de Propaganda e Marketing do Rio (ESPM-Rio). Em sua visão, para que alcance o posto de exemplo de festa carnavalesca, é necessário unir as dimensões econômica, cultural, neste caso com a tradição da festa, ao impacto social que ela gera.

“E hoje não temos isso acontecendo em nenhum lugar do Brasil. Em algumas cidades a cultura e a tradição são fortes, mas oscila a questão econômica, em outras há um olhar exclusivo para este lado e não se pensa no aspecto social. Ainda temos que caminhar em busca de um caso de sucesso”, avalia.

Para ele, isso será alcançado quando forem considerados o impacto econômico da festa; reconhecida sua importância como cultura, tradição, que respeita a diversidade, e ao lado da devida valorização do impacto social. “Afinal o Carnaval nasce das populações de baixa renda, não podemos achar que agora nele tudo é dinheiro. Essa visão mais complexa com a qual poderíamos ter um case de sucesso ainda não temos”, opina.

Sobre a participação das marcas na festa, Figueiredo  avalia que algumas já conseguem fazer um posicionamento mais institucional a respeito dos seus valores,  como a Uber, por exemplo, aproveitando a festa. “Eles colocaram na rua uma campanha na qual mostraram para quem é a Uber e ainda disseram que,  se você é contra estes valores, ela não é para você”, cita.

Mas, em sua visão, ainda hoje muitos anunciantes são mais conservadores, em por conta disso, não entenderam como usufruir deste evento sem arranhar a imagem da marca. “Além disso temos o problema recente, que vivemos dos últimos dois, três anos para cá, de alguns discursos oficiais contra o Carnaval. Com isso, muitas marcas vão ficar na dúvida se apoiam ou não, se pode gerar algum prejuízo futuro a elas em função de algumas posições mais conservadoras que emergiram nos últimos anos na sociedade brasileira”, analisa. O que é essencial perceber, reforça o consultor, é que existem muitas oportunidades de marketing no Carnaval, especialmente as que permitem um contato direto com os consumidores. “E que podem ajudar as marcas a colocarem seus valores em contato com as pessoas, é uma possibilidade para que comuniquem melhor em termos de posicionamento”, diz.

 

Poder estatal

Atualmente há uma variação do comportamento do poder estatal em relação à festa nas diferentes cidades. Enquanto algumas usam o evento como uma grande plataforma de turismo e de posicionamento da cidade na perspectiva da economia criativa, aponta Figueiredo, em outras o poder estatal se coloca contra o Carnaval. “Temos o poder estatal deixando uma certa lacuna no desenvolvimento do Carnaval, o que é um grande erro. É uma festa popular e tem um impacto econômico gigantesco para além dos dias da folia em si”, fala. Em sua visão, o poder estatal deveria enxergar o Carnaval como um grande evento econômico. “Mas definitivamente não estamos perto disso, temos visto recentemente, e o caso do Rio de Janeiro talvez seja o mais emblemático, cidades com posições que variam muito de apoiar ou não a festa”, pontua.

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • João Figueiredo

  • ESPM Rio

  • marketing

  • marcas

  • Carnaval

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”