Itaú é a marca mais valiosa do Brasil pela primeira vez

Buscar

Marketing

Publicidade

Itaú é a marca mais valiosa do Brasil pela primeira vez

Ranking BrandZ 2020 registra alta de 4% no valor total das 25 principais marcas, num total de US$ 55,7 bilhões. Skol, Bradesco Magazine Luiza e Brahma completam top 5

Salvador Strano
3 de setembro de 2020 - 10h40

Itaú assumiu a liderança com valor de marca de US$ 8,2 bilhões (crédito: reprodução)

Pela primeira vez desde o começo da versão brasileira do BrandZ, em 2006, o Itaú assumiu a liderança do estudo em um cenário de estabilidade, após sua marca perder apenas 1% de valor em comparação ao ano anterior, o banco atingiu o patamar de US$ 8,2 bilhões. Líder em 2019, o Bradesco perdeu 34% de seu valor devido ao desempenho financeiro no período e aparece em terceiro lugar com US$ 6,1 bilhões.

Os resultados e análises da edição 2020 do ranking BrandZ — As Marcas Brasileiras Mais Valiosas serão publicados com exclusividade na edição de 2020 do especial Agências & Anunciantes, que marca o início da parceria entre o Meio & Mensagem e a Kantar para a divulgação do estudo. A edição 2020 do especial Agências & Anunciantes também marca a estreia da publicação na plataforma Acervo, de Meio & Mensagem, que pode ser acessada gratuitamente até o fim do mês clicando aqui. Veja destaques da edição 2020 do especial Agências & Anunciantes e baixe e Mapa das Agências no site Drops Agências & Anunciantes.

A Skol, cerveja da Ambev, assumiu a vice-liderança, com US$ 6, 7 bilhões, seguida do Magazine Luiza, que avançou da sétima posição com um crescimento de 124% no valor de marca, chegando a US$ 5,1 bilhões. A Brahma, outro rótulo da Ambev, fecha o top 5 com US$ 3,7 bilhões. Veja a lista com as 25 primeiras abaixo.

A edição deste ano do levantamento já refletiu o impacto negativo no valor das marcas brasileiras causado pela pandemia do novo coronavírus. Até 2019, o ranking, elaborado pela Kantar em parceria com o grupo WPP, incluía as 60 marcas mais valiosas com sede no Brasil. No entanto, apenas 25 obtiveram os resultados mínimos para entrar no ranking este ano. No entanto, a soma do valor deste grupo aumentou 4%, chegando a um total de US$ 55,7 bilhões.

Para entrar no ranking, a marca deve pertencer a empresas de capital aberto ou capital fechado com disponibilidade de informações financeiras; ser exclusivamente brasileira cujo comando seja de uma empresa brasileira ou se pertencer a empresas estrangeiras, que sua operação esteja predominantemente no Brasil; e gerar lucro econômico positivo. Para o cálculo do valor da marca, a Kantar considera o valor financeiro (a rentabilidade), com base em dados da Bloomberg, e a contribuição da marca. O levantamento analisou 500 marcas. Veja a evolução do valor das marcas desde o início do ranking, em 2006, no vídeo abaixo.

Desempenho dos setores
Ainda no segmento financeiro, dois bancos públicos integram a lista de marcas mais valiosas do País. Banco do Brasil, na 16ª posição, com um aumento de 29% de valor, e Caixa Econômica Federal, que na 24ª posição conquistou 19% de aumento em comparação com o mesmo período do ano passado. O valor total do segmento das instituições financeiras caiu 16% no período.

O segmento varejista, por sua vez, observou um crescimento de 72% de um ano para cá – impulsionando uma movimentação já observada entre 2018 e 2019. Além do já citado Magazine Luiza, Renner, Pão de Açúcar, Lojas Americanas, Extra, Assaí e Casas Bahia integram a lista. O Grupo Pão de Açúcar (GPA) foi um destaque na edição 2020, com três bandeiras entre as 25 mais valiosas.

Outro setor que ganhou destaque nesta edição foi a indústria de alimentos. A grande motivação da alta está relacionada à inovação relacionada aos produtos vegetais. O grande destaque nesse setor foi a Seara, que cresceu seu valor de marca em 35%, atingindo US$ 827 milhões. A Sadia, da BRF, principal concorrente do segmento, também ampliou seu valor de marca alcançando US$ 1,527 bilhão, um aumento de 22% em comparação ao ano passado.

Apesar de ser a principal atuação econômica do País, representando 63% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor de serviços é muito descentralizado e, portanto, dificilmente conquista altas posições dentro do ranking BrandZ. Entre os únicos representantes do segmento estão Amil (9ª), Localiza (15ª), Vivo (17ª) e Porto Seguro (20º).

Publicidade

Compartilhe