Com cocriação de marcas, Feira Preta chega aos 20

Buscar

Com cocriação de marcas, Feira Preta chega aos 20

Buscar
Publicidade

Marketing

Com cocriação de marcas, Feira Preta chega aos 20

Evento idealizado por Adriana Barbosa, da PretaHub, chega à 20ª edição com participação de marcas como C&A, Facebook e Mercado Livre no conteúdo


22 de novembro de 2021 - 10h50

Vitrine Preta, uma das iniciativas conjuntas entre Facebook e PretaHub, realizadora da Feira Preta (Crédito: Divulgação)

Há 20 anos, Adriana Preta realizava a primeira Feira Preta na Praça Benedito Calixto, em São Paulo, já com a ideia de promover os negócios de pessoas negras e, ao mesmo tempo, celebrar a cultura afro-brasileira. De lá para cá, a iniciativa movimentou mais de R$ 6,5 milhões, atraiu mais de 200 mil pessoas e 1,8 mil empreendedores. No sábado, não por acaso, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, aconteceu a estreia da vigésima edição, que terá duração de 20 dias.

Se nos primeiros anos o evento não conseguia apoio consistente das marcas, que tinham pouco interesse em abordar a questão racial, hoje a feira – que está mais para um festival, dada a amplitude da programação – reúne patrocínio de empresas de diferentes segmentos. Ao longo dos anos, o projeto conseguiu apoios de Unilever, Petrobras e Bradesco, mas, de dois anos para cá, vem conseguindo um envolvimento mais consistente de anunciantes de diversos segmentos.

Neste ano, o Facebook entra não apenas como patrocinador, mas como co-realizador: todos os debates, shows e workshops poderão ser acompanhados pela rede social e pelo Instagram. Casas Bahia C&A, Mercado Livre, Converse, British Council, iFood são algumas das outras parceiras. Para Adriana, CEO da PretaHub, o envolvimento dessas marcas com a Feira Preta vai além do patrocínio e produz um efeito sistêmico, pois o evento estabelece uma conversa com cada uma das marcas sobre como, por exemplo, fomentar o empreendedorismo negro. “As marcas se aprofundam nesse tema, buscam referências. Se não tem pessoas pretas dentro de casa, trazem pessoas para participar. Isso faz a empresa olhar para os processos internos”, diz. Além disso, ela ressalta que acontece uma circulação monetária significativa entre profissionais negros envolvidos no evento, da produção à direção artística dos shows.

Raphaella Martins, gerente do Creative X da Meta no Brasil, e membro do Black@, grupo de afinidade para pessoas negras e aliados na empresa, conta que a companhia ajudou a dar continuidade ao storytelling da feira, que tem como mote a frase “Existe um futuro preto e ele não se constrói sozinho”, criado por Adriana em 2019. O Facebook e agências como a Gana e a Suno United Creators ajudaram a desenvolver o conceito que celebra o passado negro, o presente ligado ao afrofuturismo e ressalta que a evolução do empreendedorismo negro precisa do apoio de diversas partes da indústria e da sociedade.

A parceria do Facebook com a Feira Preta deu origem a ações já em curso, como a Aceleração de Negócios de Empreendedoras Negras, que selecionará 50 empresas que atuam em regiões periféricas de todo o País, e a Sexta Preta, lives que contam a história de empreendedores negros e trazem shows de artistas como Ludmilla e Teresa Cristina.

Em “Ostentação da Cultura”, Tássia Reis e Djonga enaltecem poder da cultura negra. Música ganhou clipe cocriado por Mercado Livre, Gut São Paulo e Feira Preta (Crédito: Divulgação)

Já com o Mercado Livre, a Preta Hub lançou, neste ano, a loja oficial da feira no marketplace, que traz uma curadoria de marcas de empreendedores negros. Na semana passada, a marca lançou o clipe da música “Ostentação da Cultura”, composição de Djonga e Tássia Reis que exalta o poder e a originalidade da cultura negra. O vídeo foi criado pela Gut São Paulo.

“O Mercado Livre é uma companhia que nasceu para democratizar o comércio eletrônico. Queremos que seja cada vez mais inclusivo e chegue a cada vez mais pessoas e um dos desafios para os empreendedores negros mapeados pela Feira Preta é decodificar a questão da tecnologia. Então, para o Mercado Livre é importante entregar esse propósito por meio de soluções online”, explica Laura Motta, gerente de sustentabilidade do Mercado Livre. Além da loja virtual, a companhia é parceira de conteúdo do Afrolab Digital, que capacita empreendedores brasileiros e colombianos.

Este é o segundo ano consecutivo que o festival é realizado de forma remota. Se em 2019, o evento presencial atraiu 45 mil pessoas, no ano passado, a transmissão online pôde chegar a um público de 1,7 milhões. No ano que vem, a edição será híbrida.

*Crédito da imagem no topo: Divulgação

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Vivo e Auren criam joint-venture no setor de energia

    Vivo e Auren criam joint-venture no setor de energia

    GUD Energia oferecerá, nessa primeira fase, serviços e consultoria à indústrias, comércios e empresas de serviços

  • Netshoes quer unir esporte e moda

    Netshoes quer unir esporte e moda

    Com estreia de posicionamento, marca busca reforçar presença no segmento de sportstyle, de artigos esportivos que não estão diretamente ligados a alta performance