E-commerce: 98% dos brasileiros aumentaram compras online na pandemia

Buscar

E-commerce: 98% dos brasileiros aumentaram compras online na pandemia

Buscar
Publicidade

Marketing

E-commerce: 98% dos brasileiros aumentaram compras online na pandemia

Estudo “O Comportamento do Consumidor Pós-Covid 2022”, feito pela agência Marco, aponta expansão do comportamento digital


7 de dezembro de 2022 - 15h43

Não é novidade que a pandemia da Covid-19, que dura mais de dois anos, impactou significativamente o comportamento dos consumidores no mundo inteiro. A crise sanitária, nos períodos de maior restrição, impactou a circulação de pessoas e a abertura de estabelecimentos comerciais. Diante disso, dados do estudo “O Comportamento do Consumidor Pós-Covid 2022”, feito pela agência Marco, apontaram que 98% dos brasileiros passaram a comprar mais no e-commerce desde o início da pandemia.

e-commerce

Pesquisa apontou que 98% dos brasileiros passaram a comprar mais na internet desde o início da pandemia (Crédito: Jirapong Manustrong/Shutterstock)

Feito em 14 países diferentes, o estudo mostrou que o aumento da frequência do uso do e-commerce é maior no Brasil do que em outros países da América Latina. Para se ter uma ideia, entre colombianos e mexicanos, os percentuais de consumidores que compram mais pela internet são de 88% e 80%, respectivamente. A média entre os países europeus pesquisados, por sua vez, é de 67%.

Douglas Meira, head da Marco para a América Latina e country manager para o Brasil, considera que a digitalização do consumo tem atraído mais pessoas ao ambiente digital. Sendo assim, esse processo cria para as marcas um desafio de contemplar diferentes perfis de consumidores com os mais variados interesses, idades e faixas de renda.

“É importante que marcas e estratégias de comunicação adotem uma abordagem inclusiva, lançando mão de recursos de hipersegmentação e conteúdos personalizados. Com um approach direcionado, aumentam as chances de entregar com sucesso as mensagens que cada consumidor procura no ambiente digital”, complementa o executivo.

Itens comprados

Para 87% dos entrevistados, ingressos para shows são os principais itens comprados no Brasil via e-commerce, segundo o estudo. Logo em seguida, aparecem na lista pacotes de viagem (85%), celulares (83%) e livros e games (83%). Além desses, câmeras e dispositivos eletrônicos (79%) e ainda ingressos para eventos esportivos (79%) também foram destaques entre os brasileiros.

Ainda de acordo com o levantamento, as roupas e artigos de moda ocupam a sétima posição da lista de maior recorrência de compras, com 77%. Já os itens do varejo alimentar representam o grupo com menos relevância na lista, com somente 40% de preferência dos consumidores brasileiros.

Publicidade

A publicidade online é a que mais influencia a escolha dos consumidores do Brasil, conforme 83% dos entrevistados. Artigos na internet (77%) e as recomendações de influenciadores digitais (72%) aparecem logo em seguida entre os canais mais relevantes. Atualmente, 89% dos brasileiros disseram já ter comprado alguma coisa com base em recomendações nas redes sociais.

Por outro lado, corroborando a realidade atual cada vez mais conectada, revistas e jornais impressos, publicidade em rádio e propagandas no transporte público – como trem, metrô e ônibus – são os três tipos de canais que menos influenciam a decisão de compra dos brasileiros, todas elas com o percentual de 55%.

Continue se informando com as mais recentes novidades do e-commerce no Brasil.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele