Startups brasileiras têm novos caminhos para construir marca

Buscar

Startups brasileiras têm novos caminhos para construir marca

Buscar
Publicidade

Marketing

Startups brasileiras têm novos caminhos para construir marca

Realizado pela primeira vez no País, o TechCrunch Startup Battlefield é mais uma porta de visibilidade internacional para empreendedores


9 de novembro de 2018 - 6h00

 

Em um formato parecido com o do Shark Tank, o evento rende visibilidade para startups em busca de investimentos (Crédito: Luiz Gustavo Pacete)

Com uma mescla de Shark Tank, programa onde empreendedores apresentam suas empresas e ideias a investidores, e as rodadas de pitchs em busca de investimentos, o Startup Battlefield realizou sua primeira edição no Brasil na quinta-feira, 8, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. O evento é realizado há 12 anos pelo portal americano TechCrunch, da Verizon/Oath, e já movimentou mais de US$ 8 bilhões em aportes. Além de São Francisco, sede do evento, Alemanha, Líbano e Nigéria já receberam o evento.

Já foram reveladas no Startup Battlefield empresas como Dropbox, Fitbit e Cloudflare. Entre os jurados e os palestrantes, figuras locais do empreendedorismo na América Latina, entre eles, Fabricio Bloisi, CEO da Movile, Ana Lu McLaren, do enjoei, Hernan Kazah, cofundador e sócio da Kaszek Ventures e Cristina Junqueira, VP de branding e desenvolvimento comercial da Nubank. A startup vencedora, Olho do Dono, de Vitória (ES), levou US$ 25 mil e uma vaga para competir no  TechCrunch Disrupt SF, em 2019.

“A América Latina, com o destaque do Brasil, é uma região de muitas oportunidades e um mercado consumidor relevante. Se compararmos com a China, por exemplo, temos muitas semelhanças com metrópoles e a necessidade de uma aceleração digital inteligente”, disse Yony Qiu, CEO da 99. De acordo com Eduardo Musa, cofundador da Yellow, assim como é uma região de oportunidades, há também muitos desafios relacionados à formação de profissionais com expertise técnica. “Já temos instituições relevantes neste sentido, mas ainda não é o suficiente”, explica Musa.

 

Sebastián, do Rappi: “mesmo quando massificado o marketing de uma startup deve estar diretamente ligado à experiência e funcionalidade” (Crédito: Divulgação)

Para muitos empreendedores, um evento como este seria o equivalente a ter recursos para criar uma campanha na TV. Konstantinos Papamiltiadis, diretor de plataformas e programas para desenvolvedores do Facebook, explica que o marketing e a construção de marca são vividos de formas diferentes por uma startup. “Sempre dizem que investir em marketing não é uma prioridade para startups e não deve ser, essa preocupação só pode existir quando o produto de fato encontrado a conexão com uma dor a ser resolvida e entrega uma experiência, de fato”, diz Konstantinos.

De acordo o executivo, responsável por intermediar a vinda do TechCrunch ao Brasil, existe uma outra forma de startups construírem marca. “Pode ser a única oportunidade de empresas como as que estão nesse evento de se apresentarem para investidores. E conforme elas tenham uma boa solução, ainda que não vençam, passam a desfrutar de indicações e recomendações que iniciam um ciclo chamando investimento, visibilidade e o fortalecimento. Isso é construção de marca para startups”, explica o executivo.

 

Konstantinos, do Facebook: “construção de marca é se fortalecer para encontrar investidores” (Crédito: Divulgação)

Sebastian Mejía, cofundador da Rappi, que em setembro ultrapassou US$ 1 bilhão em valor de mercado, ganhando o status de unicórnio, explica que sua empresa, por exemplo, está em um estágio além desse narrado por Konstantinos. “Definimos nosso modelo, confirmamos o potencial de escalar e agora passamos a ter recursos para investir em um marketing massificado. Mas mesmo que massificado, ele deve ser estar conectado com nosso propósito e performance. Exemplo: o Rappi nasceu com essa conexão com o bairro, logo nossa estratégia tem que ser muito focada no local. Mas, de fato, construção de marca para uma empresa é muito diferente”, afirma.

De acordo com a jornalista e consultora de PR para startups Beatriz Bevilaqua, do canal Metamorfose, a estratégia de relações públicas também é vital no processo dessas empresas. “A comunicação estratégica é fundamental para o crescimento de qualquer startup. O PR ajuda na construção e consolidação da marca diante do público. Mas é preciso saber o momento certo para contratar uma assessoria, é necessário ter estruturado a empresa e validado o modelo de negócio antes de fazer qualquer tipo de divulgação e procurar a imprensa”, explica.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele